85% das operadoras pretendem investir em Wi-Fi público

Por Redação | 04.12.2014 às 16:20

Se depender dos resultados de uma pesquisa encomendada pela Amdocs, uma provedora de softwares e serviços para operadoras de todo o mundo, estamos cada vez mais próximos de um mundo em que todo lugar terá uma rede Wi-Fi disponível. É o que estão sendo chamadas de redes de grande porte, que estão nas miras de pelo menos 85% das empresas globais de telecomunicações para os próximos dois anos.

O estudo mostrou uma mudança não apenas no ponto de vista das prestadoras de serviço, mas também de estabelecimentos, parceiros e até mesmo do próprio usuário final. A ideia geral é que o total de hotspots públicos passará de 14%, número atual, para 72% até 2018, como um reflexo direto dessa alteração de visão.

Além do investimento das próprias operadoras, usuários e comércios estão cada vez mais adotando uma tendência que vem sendo chamada de homespot, onde o sinal Wi-Fi pago pelo próprio dono do lugar permanece aberto para utilização de quem passa por lá. Até 2016, 77% dos assinantes dessa categoria prometem aderir à ideia, aumentando consideravelmente o total atual, que é de apenas 30%.

Além disso, devem crescer os números de parcerias focadas nesse segmento, com empresas de micro e pequeno porte compartilhando os custos de infraestrutura, instalação e funcionamento dessas redes. Operadoras de telefonia que também oferecem serviços de internet e TV a cabo, por exemplo, terão participação em 61% de tais sistemas, enquanto as prestadoras de serviço mobile estarão em 70% deles.

E com isso, claro, cresce também a popularidade da marca, uma vez que seus respectivos nomes estarão atrelados ao uso do sinal Wi-Fi. Com isso, também estão sendo planejadas, por pelo menos dois terços das empresas, ferramentas de gestão e controle de risco, um investimento adicional focado na segurança e em um conhecimento de que a infraestrutura atual não deve ser capaz de suportar esse crescimento contínuo e absurdo na conectividade sem fios.