Startup brasileira aposta em recompra de smartphones corporativos para crescer

Por Rafael Romer | 29 de Fevereiro de 2016 às 14h20

Fundada em julho 2013 com o objetivo de realizar o descarte ecológico ou trabalhar na revenda de aparelhos antigos de consumidores finais, a startup Recomércio agora começa seu ano de olho no potencial de negócios de um novo mercado: o setor corporativo.

"Nós começamos a trabalhar em um projeto de escalabilidade. A gente já estava com nossas plataformas B2C consolidadas, com um trabalho interessante pela internet, e enxergamos que precisávamos atuar em outras frentes para atingir nossos resultados", comentou a Diretora Comercial da Recomércio, Kelly Marcelino.

No último trimestre de 2015, a empresa começou a implementação do novo plano de negócio voltado para o setor corporativo através de uma oferta inicial de revenda de aparelhos para pequenas lojas de varejo de produtos seminovos.

PECHINCHAS, CUPONS, COISAS GRÁTIS? Participe do nosso GRUPO DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Desde então, a startup avançou a linha de negócios, e agora já auxilia pequenas, médias e grandes empresas a descartarem parques obsoletos de smartphones de duas formas diferentes: através da revenda e revalorização de aparelhos que ainda tenham valor comercial ou com o descarte ecológico de aparelhos muito antigos, através de uma parceria com uma cooperativa de reciclagem sem fins lucrativos.

Para realizar a venda dos produtos antigos, basta que a empresa envie a lista dos aparelhos disponíveis para a Recomércio, que realiza um processo de triagem e análise dos equipamentos no laboratório da empresa, em São Paulo. Após concluído, a empresa recebe uma proposta de recompra em até 10 dias.

Do lado da Recomércio, a startup faz o processamento e recondicionamento dos dispositivos, que envolve testes de funcionamento, limpeza e reboot dos aparelhos. Em seguida, os smartphones são revendidos pela startup, que estima que os semi-novos podem representar uma economia de até 60% quando comparados com compras realizadas no mercado convencional.

Em quatro meses, o setor B2B passou a representar 30% do total de compras e revendas da empresa e, até o final do ano, deverá se igualar à receita mercado de recompra de consumidores finais. Para este ano, a expectativa da Recomércio é comprar 15 mil aparelhos seminovos e revender 13 mil – o dobro do número de unidades comercializadas em 2015. "É uma operação muito nova e um mercado novo que nós estamos desenvolvendo, então são números representativos para a empresa", afirmou a executiva.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.