Por que as startups buscam profissionais em outras startups?

Por Colaborador externo | 16 de Setembro de 2016 às 06h45

Por Guilherme Junqueira*

O crescimento do desemprego no Brasil já chega a mais de 11%. Segundo os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), esse fato atingiu 11 milhões de pessoas somente esse ano, maior taxa já registrada pelo Instituto. O mesmo não acontece com o modelo de negócios em startups, que vem crescendo de forma significativa mesmo com a crise econômica ao longo dos anos. Porém, percebemos que outro problema ainda maior atinge esse setor, a falta de mão de obra qualificada para integrar a equipe

Recentemente, realizei um levantamento em relação ao número de vagas em aberto em startups que temos hoje no Brasil. Ao todo são mais de mil vagas em aberto nas principais capitais - São Paulo, Belo Horizonte, Florianópolis e Curitiba. E, o principal motivo desse desfalque nas equipes, está exatamente no que mencionei acima, a falta de profissionais qualificados em startups, que tenham expertise e vivência nesse modelo de negócio. Diferente das empresas tradicionais, as startups possuem uma projeção de crescimento rápido e em um espaço muito pequeno com que faz que o candidato precisa lidar de forma ainda mais dinâmica e fora da caixa, ele deve estar pronto para o que for preciso, seja dentro ou fora da sua área de atuação.

Mesmo com o grande diferencial do meio de trabalho oferecido - estrutura, e qualidade de vida -, o perfil do candidato precisa ser muito específico, nem mesmo as faculdades estão qualificadas para capacitarem os alunos para trabalharem nesse segmento. Este é um dos principais motivos para que muitas startups, na hora que precisam contratar novos profissionais, procuram dentro de outras startups.

Vale deixar claro que a contratação está além daquilo que foi colocado no currículo do candidato, esse é ponto a ser avaliado, porem se ele tem experiência em uma startup com certeza que ele já estará à frente de outros candidatos. Caso a sua startup tenha uma rotatividade de funcionários, veja se esse é o ponto crucial que faz com que não pare alguém na sua equipe, esse pode ser o diferencial para manter um profissional na sua equipe. Uma porque esse profissional já conhece a rotina do seu negócio, sabe valorizar os benefícios, a rotina de trabalho que muitas vezes pode ser composta por horário flexível e as metas precisam ser batidas a qualquer custo, muitas vezes precisando trabalhar de casa. Outra porque o perfil desse profissional é ainda mais dinâmico, sabendo lidar com imprevistos e encarar os desafios em executar atividades de áreas distintas, geralmente, que o profissional não domina.

A melhor forma de buscar por esse profissional está em eventos realizando networking, seja no seguimento do seu negócio ou não, ou a outra opção está em alguns treinamentos profissionalizantes que selecionam os talentos existentes e que estão disponíveis no mercado que tem como intuído principal complementar a formação desses candidatos.

*Guilherme Junqueira é CEO da Gama Academy, escola de transformação tecnológica que cria programas educacionais para os profissionais do futuro.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.