Nexxto recebe investimento e aposta em RFID para B2C e internacionalização

Por Rafael Romer | 22.09.2015 às 08:54 - atualizado em 22.09.2015 às 11:44
photo_camera Divulgação

A startup de soluções de Internet das Coisas (IoT) Nexxto recebeu sua primeira rodada de investimento da SP Ventures e agora faz planos para expandir sua atuação com a chegada do novo aporte. Fundada em 2010, a companhia tem hoje uma série de aplicações de IoT e tecnologia baseada em controle e gestão de objetos com RFID e Smart Tags.

"É uma tag pequena com sensores que você consegue colocar em qualquer objeto que quiser monitorar e consegue tirar informações disso", explicou o CEO e cofundador da empresa, Antônio Rossini. "Saber onde está em tempo real, saber a temperatura do ambiente, medir umidade, as aplicações são muitas".

O valor do investimento não foi revelado, mas a quantia deverá ser utilizada para expandir a equipe da startup além de suportar o desenvolvimento da tecnologia da empresa para as Smart Tags, desenvolvida no laboratório próprio localizado na sede da empresa em São Paulo.

Hoje a startup oferece um sistema fim-a-fim para rastreamento, controle e gestão de ativos de seus clientes através da tecnologia de identificação por radiofrequência RFID, desde o hardware necessário para o monitoramento de equipamentos até o software para a gestão dos itens. No seu portfólio, a startup possui clientes como Uol Diveo e BM&F Bovespa, além de outros parceiros que integram a tecnologia para a gestão de ambientes em data centers.

A empresa vê um bom potencial para a adoção da tecnologia no país, mesmo com o momento econômico que força as empresas a buscarem ganhos de eficiência através da automação de processos. Com a nova tecnologia de Smart Tags, a empresa vê potencial para atuar em setores como saúde e educação e já tem alguns projetos pilotos em andamento para testar possíveis modelos de negócio. Até o final do ano, a empresa espera ampliar seu negócio em cinco vezes em relação a 2014.

Ainda neste ano, a Nexxto deve também iniciar seu primeiro movimento de operação de internacionalização através de um parceiro global do setor de telecomunicações com negócios em países como Colômbia, Chile, Argentina e Peru.

Outra meta da empresa é expandir seu atual modelo business-to-business (B2B) e começar a ofertar a tecnologia de RFID e Smart Tags também para consumidores finais. A ideia é que as Smart Tags da empresa possam ser utilizadas para monitoramento doméstico de segurança, enviando mensagens de texto para os usuários sempre que alguma porta, gaveta ou janela taggeada for aberta sem o conhecimento do proprietário.

A empresa ainda está desenvolvendo seus protótipos para consumidores finais e estima que o novo mercado só deverá começar a ser trabalhado a partir de 2016. De acordo com Diretor de Marketing Nexxto, Lucas Almeida, com a atuação B2C a empresa espera ganhar mais velocidade para desenvolver novas versões de sua tecnologia, já que o mercado corporativo não tem a mesma agilidade ou tamanho de demanda que justifiquem atualizações frequentes de sistemas.

O lançamento das soluções B2C, no entanto, depende de uma reorganização interna da Nexxto, que deverá levar em consideração fatores como logística e distribuição. "O mercado de consumidor final tem uma complexidade de entrada, ele é muito ramificado e tem custos de entrada no varejo que são elevados", comentou Almeida. "A gente está em um momento de amadurecimento da plataforma. Ir para o mercado de consumidor final será quando a gente tiver a tecnologia bem testada, a gente tem que ter muita segurança sobre isso porque é uma única chance de fazer dar certo".

Ao mesmo tempo, o aumento da demanda poderá levar a empresa a repensar a estratégia de fabricação de seu hardware RFID - hoje toda a produção é realizada na China, mas a startup não descarta a possibilidade de fazê-la no Brasil caso a variação cambial e outros fatores continuem pressionando o negócio.

Nexxto

De acordo com Antonio Rossini, cofundador e CEO, investimento será utilizado para atualizar tecnologia de Smart Tags da empresa (foto: Divulgação)