App de transporte público Trafi lança versão offline para mercado brasileiro

Por Rafael Romer | 23 de Outubro de 2015 às 19h18

O aplicativo de monitoramento de transporte público Trafi lançou na última terça-feira (20) sua versão offline no Brasil, marcando a chegada oficial do serviço por aqui. Disponível por enquanto para moradores das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro, o aplicativo permite que usuários de trasporte público acompanhem em tempo real os horários e localização de ônibus e trens nas cidades.

O Brasil é o primeiro mercado fora da região do Leste Europeu no qual a startup lituana está desembarcando, na aposta que o sistema de transporte público ainda caótico de muitas cidades brasileiras traga novos usuários para a plataforma.

"É um mercado enorme e o transporte público ainda é um problema em termos de confiabilidade e precisão", afirmou ao Canaltech o CEO e cofundador da Trafi, Martynas Gudonavičius. "Além disso, os planos de dados ainda são caros, por isso nosso modo offline será a opção para usuários de transporte público de São Paulo e do Rio que quiserem um app que funciona sem internet".

Apesar do lançamento do modo offline na semana passada, o Trafi já estava disponível no Brasil há seis meses, em um período de testes e localização do serviço. Por enquanto, a equipe do aplicativo por aqui ficará restrita a um gerente de comunidade local, mas Martynas não descarta expandir o time caso o app cresça nos próximos seis meses.

O executivo também afirma que outras cinco grandes cidades brasileiras estão no radar do app, mas não revela quais as datas de chegada da solução. A expectativa é de atingir ao menos um milhão de usuários ativos por mês em um ano.

O app não é o primeiro a fornecer o serviço no país. Existem por aqui serviços como o seu principal concorrente, Moovit, além de apps brasileiros como o "Cadê o Ônibus" e "Vá de Ônibus", mas a startup da Letônia tem uma carta na manga para ganhar terreno por aqui: o modo offline. Apesar de não conseguir estimar horário de chegada ou acompanhar o trajeto em tempo real quando estiver desconectado, o app ainda permite ao usuário conferir os horários de passagem do transporte, pontos próximos e, em breve, poderá traçar rotas também sem o uso da internet.

"Nós temos uma precisão melhor graças às nossas ferramentas internas que usamos para enriquecer os dados. Além disso, nós somos os únicos no país com um modo offline, o que é realmente importante quando a cobertura de 3G e 4G é fraca ou quando você está no subsolo", afirmou Martynas.

O desembarque no Brasil faz parte de uma estratégia de expansão global da empresa, que recebeu um aporte de US$ 6,5 milhões em maio deste ano liderado pela Octopus Investments e está aproveitando o capital para se firmar em novas cidades, principalmente entre mercados emergentes com problemas de transporte público. Entre potenciais próximos alvos da Trafi estão países como a Índia e o México.

Por enquanto a empresa não está monetizando sua plataforma, mas está focando no crescimento. Apesar disso, a companhia já está trabalhando em conjunto com autoridades locais e tem um time dedicado ao fornecimento de informações adquiridas através de dados obtidos com o Trafi. A ideia é que esses dados possam ajudar prefeituras e órgãos de transporte público na otimização de seus ônibus e trens, conforme as indicações de demanda do app. Fornecer esses dados como um serviço seria um possível modelo de negócio para a companhia, de forma similar ao negócio de empresas como o Waze.