Startups: as tendências das novas empresas para 2014

Por Caroline Hecke

O ano de 2014 promete movimentar a economia e, aqui no Brasil, essas movimentações devem ser maiores ainda. Deixando o pessimismo de lado, a Copa do Mundo poderá trazer uma série de oportunidades para quem estiver atento às necessidades dos turistas e às tendências mundiais.

A analista da Cisco, Amy Cortese, elaborou uma lista de tendências para startups no ano de 2014. Com base nisso, reunimos aqui algumas das melhores observações da especialista e acrescentamos algumas ideias que podem ajudar você a alavancar seu negócio ou abrir uma nova empresa nesse ano.

Smart é a palavra do momento

Celulares inteligentes, óculos inteligentes, casas inteligentes, relógios inteligentes: o mundo nunca teve tantas smart-coisas – e, ao que tudo indica, nada vai fazer esse movimento parar. De uma startup surgiu o Pebble, um relógio inteligente que utiliza e-ink, consome pouca bateria e é compatível com quase todos os smartphones do mercado. Ao colocar o projeto no Kickstarter, a empresa recebeu investimentos mais de US$ 10 milhões.

pebble

Já do gigante Google saiu o Google Glass, indicando que a era da “internet das coisas” – ou a conectividade entre objetos comuns do dia a dia – está a cada vez mais próxima. E isso é apenas o começo: 2013 foi considerado o ano dos gadgets vestíveis, pois dezenas de grandes marcas apostaram no lançamento de objetos “smart”.

Dados humanos

Os gadgets “vestíveis” trazem com eles toda uma nova categoria de dados: é possível utilizar acessórios inteligentes para rastrear praticamente tudo no corpo humano. Desde a qualidade do sono, quantidade de calorias perdidas até o humor do usuário.

Essa semana, o Google apresentou ao mundo um projeto de lentes de contato capazes de acompanhar os níveis glicêmicos do paciente. A ideia é ter um controle em tempo real do nível de açúcar no sangue de diabéticos.

Mesmo com tantas opções de coletas de dados, ainda não existem muitos sistemas centralizando essa enorme quantidade de informações de forma realmente inteligente e benéfica ao usuário. A área ainda pode ser explorada de diversas formas, até mesmo para o acompanhamento na área da saúde.

Dados sociais

Além dos dados extraídos do próprio corpo, informações coletadas em redes sociais são extremamente importantes. A diferença é que, enquanto os dados de saúde, rotina e comportamento são, por enquanto, usados apenas para o interesse dos usuários, as informações de redes sociais são essenciais para as empresas.

Sistemas de monitoramento em redes sociais ainda são essenciais para as equipes de marketing ao redor do mundo. A única ameaça é a migração dos jovens para plataformas em que as informações são privadas, como o WhatsApp. Mesmo assim, ainda há um bom tempo para investir na área de monitoramento de conteúdo social antes que isso fique obsoleto.

monitoramento

No Brasil, especificamente, é um ótimo ano para explorar a área: com as eleições presidenciais e governamentais, será praticamente impossível ver algum político ou partido trabalhando sem o constante monitoramento e análise de absolutamente tudo o que é dito sobre si mesmo e seus oponentes.

Compartilhamento – e não estamos falando do Facebook

Para a analista da Cisco, em 2014 a tecnologia vai trazer uma mudança profunda na economia e um dos itens que merecem atenção é o compartilhamento de coisas. Ela se refere ao “Airbnb para tudo”. O Airbnb é um sistema online que permite alugar apartamentos, casas e até mesmo quartos individuais.

Em 2014, é muito provável que sistemas semelhantes sejam fortalecidos em outros mercados, como o compartilhamento de carros, por exemplo, tudo isso com o pagamento de pequenas taxas dos sites que fazem a intermediação entre os indivíduos.

O TaskRabbit é, talvez, o exemplo mais inovador: o site permite que indivíduos “vendam” seu tempo para realizar tarefas para outros. É possível, por exemplo, encontrar alguém para fazer suas compras, trocar lâmpadas e, até mesmo, contratar uma turma para se passar por fãs de sua banda e impressionar a plateia em um show. Qualquer pessoa pode se inscrever e qualquer tipo de tarefa, doméstica ou não, pode ser oferecida ou solicitada.