Investidores usam big data em busca da próxima grande startup de sucesso

Por Redação | 02.04.2014 às 08:04

A tecnologia é um campo vasto para investidores que procuram lucro rápido. Em questão de dois ou três anos, startups são capazes de sair da garagem de seus fundadores para o topo da Bolsa de Nova Iorque. É pensando nisso que a Bloomberg Beta, um fundo da Bloomberg para investir em novas empresas, se juntou à Mattermark em busca de um sistema capaz de predizer quem serão os próximos Mark Zuckerbergs, Steve Jobs e Larry Pages do Vale do Silício.

Utilizando o Big Bata, o projeto analisou dados sobre 1,5 milhão de profissionais do ramo da tecnologia e determinou suas chances de fundar uma startup de sucesso. O resultado foi surpreendente.

Entre os 350 melhores - que foram contatados pela Bloomberg Beta para discutir seu futuro como empreendedores -, apenas 15% possuem diploma em Ciência da Computação. Quase metade, 38%, tem mais de 40 anos, com consultores administrativos tendo até duas vezes mais chances de iniciar uma empresa de tecnologia do que engenheiros. A média dos melhores colocados foi de 17% de chance de iniciar um empreendimento próprio, ante 0,66% da média geral.

O resultado certamente saiu do estereótipo "homem branco graduado em Stanford nos seus 20 e poucos anos" e, de acordo com Danielle Morill, CEO da Mattermark, a pesquisa pode não encontrar as melhores pessoas, mas ajudou na procura.

"Começar uma empresa é sobre quebrar o padrão, então seguir o nosso padrão é apenas um jeito de encontrar os futuros fundadores mais interessantes", disse o executivo. "Aspiradores a fundadores que querem se mover no continuum têm uma lista de coisas que precisam fazer para aumentar as suas chances ou podem simplesmente pular esses passos e começar uma empresa".