Empresas 2.0: qual é o propósito da sua startup?

Por Fernando D´Angelo

No mundo das Startups, é frequente os empreendedores terem ideias fantásticas, desenvolverem projetos maravilhosos, montar times super qualificados e de alta performance, definirem planos de negócios imbatíveis e montarem planilhas financeiras extremamente detalhadas, mas raramente vejo empreendedores preocupados em discutir e validar o propósito da empresa que estão criando.

O propósito da empresa nada mais é do que encontrar qual problema do mundo a sua empresa se propõe a resolver. Vale lembrar que não necessariamente uma empresa é o que ela vende. Muitos dizem que a Volkswagen é uma empresa que vende automóveis. Mas será que o propósito dela é vender automóveis ou será que ela está mais preocupada em resolver problemas de mobilidade urbana? E o Google? É uma empresa de publicidade ou uma empresa que visa resolver os problemas ligados a organização das informações? A Petrobrás é uma empresa de petróleo ou uma empresa que tem como propósito resolver problemas de geração e uso de energia?

Um propósito não define o que a empresa vai fazer, mas dá o norte para os empreendedores. A partir daí brotam os valores da empresa, a missão, visão e objetivo, possíveis áreas de atuação e o posicionamento da marca frente à sociedade além de diversos outros fatores. Um propósito torna a empresa parte integrante da sociedade, pois dá um significado existencial para ela, e é neste momento que devemos lembrar do papel original das empresas: servir às pessoas. Toda empresa deve visar, em primeiro lugar, melhorar a vida das pessoas.

Um propósito bem definido pode engajar os envolvidos no projeto, melhorando qualidade e produtividade, e diminuindo descontentamento e rotatividade. Pode também ajudar a manter o foco no objetivo principal durante momentos de turbulência e mudanças de direção. E além disso pode criar um vínculo emocional e de fidelidade entre a sua empresa e o público final, pois as pessoas preferem consumir bens e serviços que estejam alinhados com seus ideais.

Mas e o ganho financeiro? Afinal, todos trabalhamos para ter sucesso, e muitas vezes o sucesso é definido pela quantia de dinheiro que ganhamos ou pelos investimentos que recebemos. Defendo que o ganho financeiro não deve ser o objetivo de uma empresa, e sim a consequência da relevância que essa empresa tem junto à sociedade. Quanto maior a relevância dos serviços ou produtos que a sua empresa oferece, maior será a sua recompensa.

Sugestão de Leitura: “Propósito”, de Joey Reiman.