Teste de desempenho coloca Snapdragon 820 acima do Apple A9

Por Redação | 07 de Março de 2016 às 14h13

A disposição da Qualcomm de deixar um 2015 difícil para trás parece mesmo estar tendo seus frutos. De acordo com um teste de benchmark realizado pela AnTuTu, um dos principais nomes desse tipo de análise, o processador Snapdragon 820 deve ser o líder em performance neste ano, deixando para trás seu grande rival, o Apple A9.

Os testes foram liberados neste final de semana e mostram o dragão com uma pequena vantagem em relação ao concorrente da Maçã no quesito geral. Os dois, na realidade, aparecem praticamente empatados com o Exynos 8890, da Samsung, que completa o ranking dos três maiores e apresenta o menor potencial de desempenho do trio, mas com poucos pontos de diferença entre eles.

A coisa, entretanto, muda de figura quando se analisa, especificamente, do ponto de vista gráfico. Se o assunto é a GPU, o Snapdragon 820 brilha, com um desempenho 30% maior que o segundo colocado nesse parâmetro. O Apple A9 ficou na segunda colocação e, mais uma vez, teve uma performance quase equivalente à do Exynos 8890.

É claro, deve-se levar em conta que a comparação coloca frente à frente concorrentes de geração distintas. O Snapdragon 820 está no coração de aparelhos como o Samsung Galaxy S7, o LG G5 e o Xiaomi Mi 5, enquanto o Apple A9 aparece no iPhone 6s e 6s Plus, lançados no ano passado. Neste ano, a Maçã deve contar com o chip A9X em seus equipamentos, o mesmo disponível no iPad Pro, que não aparece no ranking justamente por não aparecer, ainda, no mercado de smartphones. A perspectiva, entretanto, é que esses números mudem bem em breve,

Além disso, como a própria AnTuTu afirma, o que temos aqui são medidas de poder “puro”, e potenciais que podem ser reduzidos por outros atributos. Em 2015, por exemplo, o Snapdragon 810 também aparecia como um dos melhores do mercado, mas seus problemas com gerenciamento de temperatura faziam com que sua performance fosse reduzida consideravelmente. O mesmo, entretanto, não acontece com seu sucessor, o que torna esses resultados mais fiéis à realidade.

Outros fatores também influenciam nessa análise, como a otimização do sistema operacional, principalmente. De nada adianta um processador potente se a plataforma que ele roda for pesada e cheia de problemas. Essa é uma questão, inclusive, na qual as fabricantes e desenvolvedoras vêm trabalhando, principalmente no que toca o Android, de forma a entregar dispositivos realmente potentes e que não sofram de problemas de performance por causa de software.

Fonte: AnTuTu

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.