Pesquisa mostra o que desenvolvedores de software mais valorizam no trabalho

Por Redação | 18.08.2016 às 06:18

Uma pesquisa chamada State of Stack ouviu 1.400 programadores a fim de determinar o que esses profissionais procuram em uma empresa quando estão procurando por um novo trabalho. Conduzido pela Netguru, o levantamento apresentou detalhes que ajudarão gestores de TI de todo o mundo na hora de contratar novos desenvolvedores.

Ao perguntar o que os desenvolvedores mais valorizavam no trabalho, entre as mais diversas respostas, a pesquisa listou os seis itens mais citados. São eles:

Dinheiro não é o mais importante

Os desenvolvedores desejam, sim, e procuram por oportunidades com uma boa remuneração, mas, segundo o estudo, 85% dos entrevistados afirmaram que um projeto interessante pode ser um fator mais decisivo para aceitar uma oportunidade do que o salário oferecido.

Home office para que te quero

De todos os profissionais consultados, 40% disseram preferir trabalhar em casa, no esquema home office, que vem cada vez mais sendo adotado por empresas de diversos segmentos, além da TI. Trabalhar em casa não é sinônimo de “folga” - na verdade, profissionais trabalhando em home office tendem a produzir mais e melhor do que se fossem obrigados a trabalhar no escritório da empresa. E com tantas ferramentas disponíveis por aí que permitem uma gestão remota eficaz, é perfeitamente possível realizar um bom trabalho à distância.

Benefícios valem muito

Além de priorizar projetos mais bacanas e desejar trabalhar em casa, os programadores também valorizam bastante os benefícios oferecidos. 40% dos entrevistados destacou essa oferta como um ponto que pode pesar a favor (ou contra) a aceitação de uma oferta. E benefícios relacionados a reciclagem de conhecimentos ou verbas para realização de novos cursos são muito atrativos.

Um grande nome ainda tem peso

Apesar do mercado de tecnologia estar recheado de novas startups e companhias pequenas desenvolvendo produtos e serviços bacanas, 17% dos pesquisados disseram que trabalhar em uma empresa com nome de peso (como Google ou IBM, por exemplo) é um fator importante na hora de aceitar uma oportunidade de trabalho.

Java é coisa do passado

Os desenvolvedores de software ouvidos pela pesquisa já consideram a linguagem Java como sendo algo do passado. Apenas 9% dos entrevistados confessaram ter estudado Java recentemente, mesmo que essa plataforma ainda seja um tanto quanto consistente e tenha uma demanda consideravelmente alta. Esses profissionais consideram a linguagem como sendo “chata” por ser muito corporativa.

Não exigir experiência é um “plus”

Em um mercado cujas novidades surgem e tomam grandes proporções a qualquer momento, exigir uma experiência consolidada pode não ser exatamente uma boa ideia. De acordo com o estudo, a maioria dos programadores afirmou possuir uma experiência relativamente pequena no que diz respeito ao desenvolvimento de aplicativos móveis, por exemplo - que é uma das áreas mais promissoras do universo da programação atual.

Fonte: State of Stack