Inteligência Artificial para todos

Por Colaborador externo | 26 de Janeiro de 2017 às 18h50
DepositPhotos/agsandrew

Por Maurício Prado*

Pense em um aplicativo que você utiliza diariamente. Seria o Waze, que calcula o melhor caminho para o seu trabalho? Ou o Spotify, que sugere playlists personalizadas? A Siri, que responde suas perguntas no iPhone? O Netflix, que indica filmes e séries com a sua cara? Ou o Google, que traduz textos para qualquer língua em segundos? Independente das suas preferências, sabe o que esses aplicativos têm em comum? Todos funcionam com recursos de Inteligência Artificial (IA). Se para você IA significa o Exterminador do Futuro ou robôs e sabres de luz, saiba que ela já está transformando nossas vidas.

Albert Einstein nos ensinou que a genialidade consiste em tirar a complexidade e tornar as coisas simples. É isso o que está acontecendo com IA. Você não precisa ser um especialista em Machine Learning, a ciência que dá a máquinas a possibilidade de aprender algo sem ter sido programadas. Pode-se pular este requisito para apreciar a eficácia e a melhoria dos aplicativos de reconhecimento de imagens, busca na Internet e compras online entre outros para perceber que a inteligência artificial pouco a pouco se tornou algo normal e imprescindível em nossa rotina. E isso é apenas o começo. Segundo o Gartner, os algoritmos mudarão o comportamento no ambiente de trabalho de mais de 1 bilhão de pessoas no mundo até 2020.

Assista Agora: Nunca mais contrate funcionários para sua empresa! Comece o ano em uma realidade completamente diferente!

De olho nesse mercado, as maiores empresas do mundo já estão investindo também em produtos conectados ("Internet das Coisas") para melhorar seus serviços, produtos e o relacionamento com clientes. No futuro próximo, cada produto ("coisa") será um canal de atendimento e relacionamento entre empresa e cliente. De acordo com o relatório MarketsandMarkets, a indústria de IA deve ultrapassar os US$ 5 bilhões até 2020, com um crescimento anual (CAGR) de 53,65%.

Mas há ainda outra explicação para essa corrida das empresas pela adoção da tecnologia: algoritmos e inteligência nas máquinas farão com que a Internet das Coisas reduza erros e US$ 1 trilhão por ano em custos com manutenção, serviços e consumíveis em 2022, diz o Gartner. Além das companhias já citadas, outras de diferentes segmentos também estão utilizando IA, como Sony, Hyundai, Kawasaki, Amazon e Air France-KLM.

As pequenas e médias empresas, no entanto, ainda estão em desvantagem, devido aos altos custos referentes a infraestrutura, expertise técnica e recursos computacionais necessários para a implementação da novidade. Isso porque, para funcionar, IA precisa ter acesso a grandes bancos de dados com informações sobre os usuários, indicadores de mercado, características e estudos, para que especialistas criem algoritmos avançados para “ensinar” os computadores a reconhecer padrões nesses dados e apresentar as melhores soluções para cada tipo de problema.

Para facilitar o acesso à Inteligência Artificial, gigantes da tecnologia estão investindo em formas de democratizar seu uso, como a Salesforce – que lançou sua plataforma de IA baseada na nuvem (Salesforce Einstein) em um evento com mais de 170 mil participantes no último mês de outubro.

Com a “Inteligência Artificial para todos”, as empresas poderão entregar aos clientes experiências muito mais inteligentes, personalizadas e preditivas. Ou seja: ao que tudo indica, o que vimos até agora em IA foi só o começo de uma verdadeira revolução.

Nos próximos anos, segundo um estudo da Universidade de Stanford, veremos a popularização de carros e caminhões autônomos; drones fazendo entregas; robôs para serviços domésticos; massificação dos dispositivos para monitorar a saúde pessoal e cirurgias feitas por robôs; realidade aumentada utilizada para educação; convergência de ferramentas para entretenimento; modelos preditivos para evitar a poluição ou melhorar a distribuição de alimentos para a população carente; câmeras, drones e programas para analisar padrões criminais e aumentar a segurança. Bem-vindos ao futuro onde IA é para todos.

*Maurício Prado é gerente geral da Salesforce Brasil.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.