Nova versão do Office deve chegar no final do ano que vem

Por Redação | 29 de Outubro de 2014 às 17h17
PPL Ware

Em um mundo conectado, no qual empresas realizam seus trabalhos na nuvem e desejam acessar aplicativos de todo lugar, é estranho pensar que ainda exista um grande espaço e futuro para softwares convencionais. A Microsoft discorda disso e afirma que vai lançar a próxima edição do Office no final do ano que vem, em versões para servidores e também focada no consumidor final.

Com o nome simples de Office 16, a nova edição da suíte de aplicativos ainda não teve as novas funcionalidades reveladas e estaria em processo de desenvolvimento. Nem mesmo o anúncio foi feito de maneira formal, e sim no palco da conferência Tech Ed Barcelona, da qual a diretora geral do segmento, Julia White, comentou rapidamente sobre o assunto. As informações foram publicadas pelo site ZDNet.

No momento, os aplicativos encontrariam-se em uma etapa de testes, com pessoal interno e externo experimentando novas funções e, principalmente, uma maior funcionalidade com dispositivos com tela sensível ao toque. Apesar desse movimento ter sido iniciado já no Windows 8, o Office permaneceu com sua usabilidade tradicional, já que utilizar um processador de texto ou planilhas sem um teclado convencional seria tarefa hercúlea. Essa ideia permanece para a Microsoft, mas não significa que outras funcionalidades não possam ser acessadas de maneiras diferentes.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O lançamento segue o calendário tradicional da empresa, que libera novas versões do pacote a cada dois ou três anos, normalmente de forma sincronizada à chegada de uma nova edição de seu sistema operacional. Além disso, significa que o Office não receberá atualizações constantes com novas funções, como já havia sido indicado por rumores do passado.

A ideia de ter duas versões “concorrentes” do Office funcionando ao mesmo tempo pode parecer estranha, mas para a Microsoft, faz todo o sentido. A empresa enxergaria seu público de duas maneiras distintas: os mais tradicionais, que desejam ter as ferramentas em seus computadores, e os conectados, que já trabalham no mundo do cloud computing e têm o Office 365 como sua principal suíte de aplicações no dia a dia.

A segunda gera uma renda estável e periódica, mas para a fabricante, é no primeiro grupo que a maior quantidade de dólares está. Aqui, entram em cena também os fabricantes de computadores, que adquirem licenças do pacote Office para incluí-lo em computadores e notebooks novos lançados no mercado e contribuem grandemente para as receitas da Microsoft. É uma fonte que a empresa não quer ver secando tão cedo e, justamente por isso, é que uma nova edição tradicional da suíte de aplicativos está em desenvolvimento.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.