Microsoft e Mozilla se unem em favor de apps web mais rápidos no Windows 10

Por Redação | 19 de Fevereiro de 2015 às 10h49
photo_camera Divulgação
Tudo sobre

Microsoft

A Microsoft fechou uma parceria com a Mozilla para utilizar a tecnologia asm.js nos seus navegadores do Windows 10, Internet Explorer e Spartan. Na prática, a novidade promete melhorar a velocidade de jogos graficamente intensos e de softwares web.

Na última década, o que se tem visto é uma quantidade incrível de programas rodando nativamente na web; programas esses que, na década de 1990, eram nativos do Windows em vez de rodarem nos browsers. Para tentar atrair ainda mais softwares para a web, a Mozilla criou o asm.js, um subconjunto JavaScript projetado para oferecer melhorias significativas no desempenho de aplicações web, entre elas jogos com ambiente 3D.

Por outro lado, a Microsoft abraçou prioridades diferentes: ela incentivava os programadores a escrever softwares para o Windows. Portanto, o anúncio de que a empresa de Redmond vai garantir suporte para a tecnologia asm.js em seu motor dedicado à execução de programas escritos em JavaScript, o Chakra, é realmente importante.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Na década de 1990, o Internet Explorer, que vem junto com o Windows, dominava o topo da lista de browsers mais utilizados. Porém, anos depois, o Firefox chegou para disputar esse domínio e, desde então, o IE tem sido visto cada vez mais como um navegador lento, cheio de problemas e que não se rende às novas tecnologias web capazes de melhorar a experiência dos usuários.

Para tentar romper com esse passado, a Microsoft resolveu lançar um novo browser, chamado até o momento de Project Spartan, que deixa de lado diversos códigos do Internet Explorer para dar uma espécie de recomeço ao navegador da empresa no novo Windows 10.

A jogada da companhia foi feita levando em consideração o fato de que as tecnologias web não podem ser ignoradas, uma vez que elas podem minar o negócio que a Microsoft sempre abraçou. Além disso, a empresa também deixou claro que esse era um pedido recorrente em sua "caixa de sugestões do Internet Explorer".

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.