IBM promete gastar US$ 1 bilhão para promover o Linux no ambiente corporativo

Por Redação | 17.09.2013 às 14:40

Ao longo dos próximos quatro ou cinco anos, a IBM vai destinar um total de US$ 1 bilhão para convencer seus clientes a usar o sistema operacional de código aberto Linux. O SO é distribuído gratuitamente e compete com o Windows, da Microsoft.

O The Wall Street Journal destaca que a IBM tem sido uma das maiores defensoras do Linux, tanto que essa não será a primeira vez que a empresa destina essa mesma quantia para promover o software open source. O primeiro bilhão foi utilizado por volta de 2000, quando o Linux ainda era um sistema operacional incipiente, e costumava rodar apenas em data centers empresariais.

A Microsoft passou anos tentando afastar seus clientes do Linux, e em certo momento chegou a dizer que o SO violava 235 patentes, insinuando que as empresas que o utilizavam poderiam ser processadas. Mas as táticas de intimidação adotadas pela empresa de Redmond não funcionaram, e a adoção do Linux cresceu, em parte devido ao voto de confiança da gigante IBM. Praticamente todos os data centers da fabricante rodam Linux, o sistema que também se tornou a escolha de gigantes como Google e Facebook.

Mas o Linux não matou o Windows Server, e nem está perto disso. Atualmente, os servidores que executam o sistema operacional de código aberto respondem por 23% das novas compras de servidores por empresas, enquanto os servidores que executam o Windows Server correspondem a 49% desse mercado, de acordo com um recente relatório da IDC. Porém, o site top500.org aponta que o Linux é o sistema operacional mais utilizado no segmento dos supercomputadores.

Agora, a IBM pretende destinar esses US$ 1 bilhão a projetos que ajudem os usuários dos microprocessadores IBM Power a migrar para o Linux. Uma das ações planejadas é uma "nuvem de desenvolvimento", uma instalação de servidores Power operada pela IBM, onde os clientes poderão usá-los gratuitamente para testar aplicações Linux gratuitamente.