Samsung Gear S2 será o primeiro wearable certificado com cartão eSIM

Por Redação | 18 de Fevereiro de 2016 às 12h37

Em 2015, a notícia de que os SIM cards para smartphones está com os dias contados pode ter pego muita gente de surpresa. Afinal, substituir uma peça física do aparelho por algo totalmente digital pode não ser uma tarefa fácil. Agora, além dos celulares, os dispositivos vestíveis também irão adotar esse novo padrão.

Nesta semana, a GSM Association (GSMA), entidade que representa as operadoras de telefonia em todo o mundo, publicou um documento contendo um novo tipo de especificação do chamado eSIM, este, por sua vez, voltado para smartwatches, pulseiras fitness e tablets. O primeiro gadget certificado com o novo formato será o Gear S2 Classic 3G, da Samsung, que deve chegar ao mercado em março.

O novo modelo do relógio Gear não é o primeiro aparelho a contar com um SIM card programável. Alguns iPads possuem essa funcionalidade, mas estes usam uma tecnologia desenvolvida pela própria Apple. Com o lançamento do novo Gear e o avanço dos próximos meses, a GSMA espera que o recurso chegue oficialmente aos telefones a partir de junho. Inclusive, desde o ano passado, a associação tem trabalhado junto com a Maçã para acelerar a implantação da tecnologia nos smartphones.

"Esta é a única especificação comum, interoperável e global que tem o apoio de toda a indústria móvel e que vai permitir aos consumidores conectar seus dispositivos à rede móvel por meio de uma assinatura remota. Esta nova especificação dá aos usuários a liberadade de conectar remotamente seus aparelhos, incluindo os vestíveis, a uma rede móvel de sua escolha", destcou Alex Sinclair, diretor de tecnologia da associação reguladora.

A adoção do novo padrão também já conta com o apoio de diversas operadoras, entre elas a AT&T, T-Mobile, Vodafone, Telefonica e Orange. Outras fabricantes, como LG, Microsoft e Huawei, também são a favor da mudança.

Diferente dos SIM cards tradicionais, o eSIM viria integrado no próprio dispositivo e deve ser compatível com todas as operadoras de telefonia. Na prática, isso vai permitir que um usuário, não satisfeito com sua atual prestadora, faça a troca para outra companhia com um simples telefonema. O chip também seria editável, uma vez que todas as informações estarão guardadas digitalmente, dispensando a troca física do componente. Para garantir que não haja discordância de dados, o eSIM será padronizado entre todas as fabricantes.

Neste link você conhece um pouco mais sobre como funciona o eSIM e quais smartphones devem receber a novidade primeiro.

Fonte: GSMA via The Verge