Apple é a terceira empresa que mais vendeu wearables em 2015; Fitbit lidera

Por Redação | 25 de Fevereiro de 2016 às 08h30

A Apple encerrou o ano de 2015 como a terceira colocada entre as empresas que mais venderam wearables durante o período, atrás apenas da Fitbit, desenvolvedora de pulseiras para atletas e praticantes de atividades físicas; e da Xiaomi. A Maçã vendeu 11,6 milhões de Apple Watches, de acordo com o relatório da IDC. Já a Fitbit vendeu 21 milhões de wearables e a Xiaomi conseguiu comercializar 12 milhões de unidades.

Apesar da Apple ter conseguido aparecer entre as três empresas que mais venderam wearables em 2015, com seu primeiro produto do gênero lançado no mesmo ano, foi a Xiaomi quem conquistou o maior crescimento no segmento, com alta espantosa de 951% em relação ao ano anterior. Essa façanha aconteceu graças ao baixo valor de venda da Mi Band, que custa apenas US$ 13 e é capaz de monitorar a frequência cardíaca do usuário.

Vendas de wearables

Em relação ao quarto trimestre do ano passado, a Fitbit continuou a liderar o ranking com praticamente o dobro de unidades vendidas em relação a segunda colocada Apple. A empresa vendeu 8,1 milhões de wearables, enquanto que a Maçã vendeu 4,1 milhões e a Xiaomi 2,7 milhões.

Vendas de wearables

De acordo com o relatório da IDC, houve uma forte expansão nas vendas de dispositivos vestíveis em 2015. O crescimento nas vendas em 2015 foi de 171,6% no comparativo com 2014. Considerando apenas o último trimestre de 2015, o aumento nas vendas foi de 126,9%.

"Estes números mostram que não se trata de um mercado apenas para amantes de tecnologias e pioneiros. Os vestíveis podem ser um mercado de massa", falou Ramon Llamas, gerente de pesquisas da IDC. Ao todo, o mercado de vestíveis no mundo totalizou 78,1 milhões de remessas em 2015.

Fonte: Business Wire

Fonte: http://www.gsmarena.com/xiaomi_skyrocketed_number_of_wearable_sales_for_q4_2015_-news-16859.php

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.