Em entrevista, Swatch diz que relógios inteligentes são oportunidade, não ameaça

Por Redação | 13.01.2014 às 12:00

Ao contrário do que muitos podem pensar, a emergência de relógios inteligentes, gadgets que permitem tirar fotos, responder mensagens, entre outras funções, não é uma ameaça para as marcas tradicionais de relógio. Pelo menos é o que pensa a Swatch.

Em entrevista à agência de notícia Reuters, Nick Hayek, CEO do grupo Swatch, disse que o smartwatch é uma oportunidade. "O relógio inteligente é uma oportunidade para nós, não importa o que aconteça. Se as pessoas que não usavam nada em seu pulso começaram a usar um smartwatch, então certamente podemos convencê-las rapidamente para tentar um relógio bonito ao invés disso", disse.

Sony, Samsung e Qualcomm são algumas das empresas que já têm smartwaches disponíveis no mercado, prontos para acessar a internet, rodar aplicativos e outras funções.

A Swatch chegou a lançar um relógio inteligente em parceria com a Microsoft, chamado Paparazzi, há 10 anos. O modelo oferecia acesso a notícias, horóscopo, frases e outras informações por meio de ondas de rádio, porém, o produto não alcançou o número de vendas esperado.

Perguntado sobre a possibilidade da Swatch lançar uma nova versão, Hayek é enfático. "Nós temos todo o know-how, mas não queremos construir um estoque de bombas de tecnologia que as pessoas não vão querer comprar", afirma.

E Hayek pode estar certo. Em estudo realizado pelo eMarketer, foi constatado que boa parte dos americanos não vê vantagens nos gadgets vestíveis. Além disso, um outro estudo realizado pela Reuters com analistas aponta que ainda não é a hora do novo segmento, principalmente por conta do preço, que ainda é salgado; e também devido a vários entraves tecnológicos.

Enquanto isso, a Swatch, maior fabricante de relógios do mundo, disse na última sexta-feira (10) que espera dobrar os dígitos de vendas neste ano.