Xiaomi lança o Mi 5s, e ele é esse monstro todo que a gente esperava

Por Redação | 27.09.2016 às 06:58 - atualizado em 27.09.2016 às 07:08

A espera acabou e o monstro finalmente saiu da jaula. A Xiaomi finalmente anunciou o tão aguardado Mi 5s na madrugada desta terça-feira (27) e mostrou que, de uma vez por todas, está disposta a concorrer com Apple e Samsung no segmento topo de linha.

E o apelido de "monstro" não é à toa, já que o modelo ganhou uma variante Plus que se sobressai em relação à versão normal por trazer um processador mais potente, mais memória RAM, tela maior e um sistema de câmera dupla na parte traseira. E o mais impressionante disso tudo é o preço. Mas calma que a gente vai chegar lá.

Ao todo, o Mi 5s contará com quatro versões diferentes, sendo uma básica, outra intermediária e duas mais avançadas sob o guarda-chuva do Mi 5s Plus. Falando especificamente do modelo de entrada da linha, temos um smartphone com tela de 5,15 polegadas e 1920 x 1080 pixels de resolução. Sua construção é bastante semelhante ao Mi 5, mas deixa o vidro de lado para focar exclusivamente no metal.

Mi 5s é o modelo padrão, vindo em duas versões diferentes: uma mais básica com 3 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, e outra mais potente com 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento

Mi 5s é o modelo padrão, vindo em duas versões diferentes: uma mais básica com 3 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, e outra mais potente com 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento (Imagem: Divulgação / Xiaomi)

Debaixo do capô, o aparelho conta com 3 GB de RAM, 64 GB de armazenamento interno e vem equipado com um SoC Snapdragon 821 de quatro núcleos. A câmera principal utiliza o sensor IMX378 da Sony de 12 megapixels, enquanto na parte da frente as selfies ficam por conta de uma câmera com 4 MP. A versão intermediária do modelo, por sua vez, se diferencia da variante de entrada por contar com 4 GB de RAM e 128 GB de armazenamento. As demais especificações são exatamente as mesmas.

Partindo agora para os modelos mais parrudos da linha, o Mi 5s Plus chega com display QHD de 5,7 polegadas e em duas versões. A primeira delas vem com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, enquanto a top de linha vem com monstruosos 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento interno. Em ambos os casos o processador é o Snapdragon 821, que trabalha em conjunto com uma GPU Adreno 530. Em relação às câmeras, na parte de trás o Mi 5s Plus vem equipado com um sistema de câmera dupla, cada uma com 13 megapixels.

Mi 5s Plus vem com tela avantajada e configurações mais potentes. São duas versões diferentes: uma com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, e outra com 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento

Mi 5s Plus vem com tela avantajada e configurações mais potentes. São duas versões diferentes: uma com 4 GB de RAM e 64 GB de armazenamento, e outra com 6 GB de RAM e 128 GB de armazenamento. Sistema de câmera dupla na parte de trás também é diferencial (Imagem: Divulgação / Xiaomi)

Em todos os modelos a Xiaomi empregou a tecnologia Snapdragon Sense ID, um leitor de digitais ultrassônico que promete revolucionar a segurança biométrica. Embora possa ser instalada sob o display do dispositivo, a Xiaomi preferiu ser ortodoxa e o fez num botão Home virtual, tal qual a Apple fez com o iPhone 7. Outra tecnologia que chama atenção aqui são os drivers sensores de pressão Synaptics. Exclusivos do Mi 5s Plus, eles fazem com que o dispositivo identifique tipos diferentes de pressão sobre a tela, em algo parecido com o 3D Touch da Apple.

E o preço? Você deve estar se perguntando. Bem, o Mi 5s em sua configuração mais básica será comercializado na China pelo equivalente a US$ 300, enquanto sua versão mais parrudinha terá etiqueta equivalente a US$ 345. O Mi 5s Plus, por sua vez, chegará custando a partir de US$ 345 e o top de linha com 6 GB de RAM custará US$ 390. A partir desta quinta-feira, 29, usuários chineses poderão se registrar para a primeira onda de vendas online e escolher um dos modelos nas cores cinza escuro, prata, dourada e rosa dourada.

Por ora, não há informações sobre a chegada dos smartphones em outros territórios.

Via Xiaomi, Android Headlines, PhoneArena