Prepare o bolso: iPhone 8 deve ser o mais caro da história

Por Redação | 10 de Julho de 2017 às 15h03
Tudo sobre

Muito se espera para o lançamento do iPhone 8, principalmente porque a previsão é de que a Apple mude radicalmente o aparelho. Mas para acompanhar a evolução tecnológica, parece que a Apple vai cobrar caro de seus consumidores. Durante o final de semana, fãs da Maçã discutiram os prováveis valores de venda do próximo iPhone, e se depender dos rumores é bom começar a economizar desde já. Segundo os boatos, as versões com hardware mais robusto poderão atingir os US$ 1.500 (quase 4,9 mil reais em conversão direta).

Diante de toda a discussão, o especialista John Gruber afirmou que o preço inicial do smartphone deverá ser de US$ 1.200, o que já é bastante absurdo, principalmente quando comparado com a versão mais basicona do iPhone 7, que tem valor inicial nos EUA de US$ 649. Importante lembrar que Gruber não é o primeiro a sugerir que o novo iPhone terá aumento de seus preços. Na verdade, um relatório da Fast Company e de analistas de empresas como o Credit Suisse já tem apontado o mesmo.

De acordo com Gruber, quando a Apple lança um iPhone, a companhia deve ser capaz de produzir dezenas de milhões de unidades, o que acaba impedindo, às vezes, que a companhia inclua tantos componentes de última geração como os concorrentes. Porém, se a Maçã lançasse um iPhone mais caro, o aumento do preço reduziria a demanda, permitindo que a Apple assumisse mais riscos e incluísse mais recursos. Apesar de parecer uma ideia estranha, em vez de atrasar o lançamento do iPhone 8 (como alguns rumores têm sugerido) por conta de peças insuficientes, a Apple poderia apresentar um novo modelo de iPhone "Pro" custando mais de US$ 1 mil.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"Parece-me a Apple não pode fabricar 40 milhões de iPhones OLED, pelo menos não hoje em dia. E se isso for verdade, significa que ele deve ser mais caro, simplesmente porque é assim que funciona o princípio da oferta e da procura. Quando o fornecimento é limitado e a demanda é alta, os preços aumentam. Os preços mais altos aliviam a demanda", explicou.

É claro que a Apple não vai meter o pé no acelerador e lançar apenas um iPhone novo extremamente caro. Informações recentes, na verdade, indicam que a Maçã apresentará ao público outros dois aparelhos mais acessíveis, provavelmente com preços semelhantes aos do iPhone 7 e 7 Plus. De qualquer forma, infelizmente no Brasil não há iPhone barato, então mesmo os "acessíveis" dependerão de uma boa economia. Vamos aguadar setembro, quando os novos modelos deverão, finalmente, ser anunciados.

Fonte: BusinessInsider

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.