Polícia prende quadrilha que enganava vítimas e roubava iPhones em São Paulo

Por Redação | 01 de Junho de 2015 às 08h38

A Polícia Civil prendeu na última sexta-feira (29) uma quadrilha de ladrões de celulares que revendiam os aparelhos na Santa Ifigênia, região central da cidade de São Paulo conhecida pela venda de todo tipo de produto eletrônico. Cem aparelhos foram apreendidos.

Para a polícia, Nilton Carlos dos Santos, de 35 anos, e Ademir Telles, de 31, eram os chefes do bando. Quem comprava os telefones roubados eram Anderson Alves dos Santos, de 18 anos, e Saulo Lima de Almeida, de 22. Mais de 80 pessoas já procuraram a delegacia para prestar queixa e os quatro homens foram presos em flagrante por receptação e formação de organização criminosa.

As investigações aconteciam há dois meses pela 4ª Patrimônio (Delegacia de Investigações sobre Roubo a Condomínio), que também apreendeu dois veículos. Além disso, os policiais apontam uma troca de informações com quadrilhas de outros estados.

Segundo as autoridades, os criminosos aplicavam um golpe nas vítimas para conseguir revender os aparelhos posteriormente. No caso, os dispositivos se tratavam de iPhones, que possuem o chamado "Bloqueio de Ativação" do iCloud que previne que o gadget seja "reiniciado" e passado adiante. Graças ao recurso "Buscar iPhone", o telefone se torna inutilizável caso a pessoa não tenha o login e a senha de acesso do iCloud para desbloqueá-lo.

O golpe funcionava da seguinte maneira: o bando mandava mensagens para o telefone novo das vítimas dizendo que o aparelho roubado foi rastreado. A pessoa então entrava no site falso, semelhante ao da empresa do celular, e digitava a senha do aparelho. Com a informação, o bando conseguia desbloquear o celular e revendê-lo como se fosse novo.

Essa técnica é conhecida como phishing. A expressão, que em inglês equivale ao termo "pescaria", tem justamente o objetivo de "pescar" dados, senhas, números de cartões de crédito e informações pessoais dos usuários através de mensagens falsas enviadas principalmente por e-mail e SMS. A prática mais comum é quando os atacantes tentam enganar as pessoas fazendo com que elas cliquem em um link malicioso ou baixem um arquivo infectado - na maior parte das vezes enviado por e-mail - utilizando assuntos que parecem legítimos.

Para se ter ideia de como o Bloqueio de Ativação tem sido um método eficaz para prevenir a revenda de iPhones roubados, um relatório recente da Reuters indica que os roubos diminuíram 40% em San Francisco e 25% em Nova York, nos Estados Unidos, e 50% em Londres, na Inglaterra, do período que vai de setembro de 2013 a setembro de 2014.

Fontes: G1, Reuters, MacMagazine

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.