Mercado brasileiro de smartphones volta a crescer, aponta IDC

Por Redação | 16 de Novembro de 2016 às 09h43

Após um ano e meio de quedas sucessivas, o mercado brasileiro de smartphones finalmente voltou a crescer. Pelo menos é isso o que apontam dados preliminares de um novo estudo da IDC.

Segundo a empresa de análise de mercado, as vendas de aparelhos cresceram 3,3% entre julho e setembro de 2016 em relação ao mesmo período do ano passado. Com base nas vendas do varejo nacional, a consultoria afirma que foram comercializados cerca de 11,1 milhões de dispositivos.

Originalmente a consultoria esperava por 10,9 milhões de aparelhos vendidos no período e acabou sendo surpreendida com os números. Para Diego Silva, analista de pesquisas da IDC, o resultado está relacionado à retomada da confiança no mercado brasileiro. "Fabricantes e varejistas perceberam que havia demanda consistente e fizeram lançamentos importantes nos últimos meses", explicou.

Os smartphones da linha Moto G são o melhor exemplo de como as coisas mudaram no mercado brasileiro. Líder em 2013 e 2014, a linha era comercializada por a partir de R$ 700. Neste ano, ela chegou às prateleiras custando a partir de R$ 1 mil
Os smartphones da linha Moto G são o melhor exemplo de como as coisas mudaram no mercado brasileiro. Líder em 2013 e 2014, a linha era comercializada por a partir de R$ 700. Neste ano, ela chegou às prateleiras custando a partir de R$ 1 mil

Desde o segundo trimestre de 2015 que o mercado brasileiro de smartphones vinha se contraindo devido a três fatores: crise econômica, desvalorização do dólar frente ao real e extinção da chamada Lei do Bem, que voltou a valer no em junho deste ano. Com isso, as fabricantes optaram por retirar do mercado os smartphones de entrada, mais acessíveis ao bolso do usuário, e investir mais em aparelhos top de linha e premium, com especificações mais robustas.

O melhor exemplo dessa estratégia é o Moto G, que liderou o mercado em vendas em 2013 e 2014. Naqueles anos, as versões do aparelho eram vendidas por cerca de R$ 700. Neste ano, todavia, o aparelho mais básico da família G apareceu nas lojas custando mais de R$ 1 mil.

Apesar de parecer pouco, os 3,3% de crescimento mostram que o segmento está voltando aos trilhos depois de encolher 13,4% e vender apenas 47 milhões de smartphones em 2015. Agora, a IDC está reavaliando suas projeções para o restante do ano, sobretudo porque o quarto trimestre reserva datas importantes para o varejo, como Black Friday e o Natal. "O varejo está otimista e estendeu a Black Friday para todo o mês de novembro", disse Silva.

Via IDC, IPNews