Google vai certificar smartphones Android para o mercado corporativo

Por Felipe Demartini | 22 de Fevereiro de 2018 às 12h52
Reprodução
Tudo sobre

Google

A Google vai começar a certificar aparelhos com o sistema operacional Android, criando uma lista de dispositivos mais indicados para utilização no mercado corporativo. A iniciativa vai levar em conta fatores como a quantidade de recursos, disponibilidade de atualização e, principalmente, a segurança, além da facilidade de adequação a redes internas e utilização de softwares dedicados para os processos e gestão de cada companhia.

Para serem elegíveis ao programa, os aparelhos precisam rodar o Android 7.0 ou superior e receberem atualizações de segurança, pelo menos, mensais por parte de seus fabricantes, que precisam manter o suporte aos aparelhos ativos por, pelo menos, três anos. Além disso, updates para o sistema operacional também precisam ser lançadas pelas empresas em até 90 dias após a liberação pela Google.

Entre os primeiros aparelhos a fazerem parte dessa relação, claro, estão o Pixel e o Pixel 2, da própria Google, além do Motion e KEYone, da BlackBerry, o Nokia 8 e os Motorolas X4 e Z2. A companhia informa que o processo de análise de novos dispositivos está aberto, com qualquer fabricante de aparelhos com a plataforma podendo submeter seus dispositivos para análise.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A cada nova versão do Android, as diretrizes serão atualizadas de maneira específica. Além disso, a Google aponta para o fato de que a lista de aparelhos recomendados será mutável, com aqueles que não cumprirem as regras deixando de fazer parte dela, ao mesmo tempo em que lançamentos podem surgir como boas opções para o mercado corporativo.

O programa Android Enterprise Recommended, como está sendo chamado, chega para resolver uma das principais questões que costumam barrar a utilização de smartphones com a plataforma entre as empresas – seu caráter fragmentado. A grande quantidade de aparelhos disponíveis, com diferentes interfaces e modificações do sistema operacional, normalmente, dificulta as coisas quando o assunto é a segurança, levando muitas empresas a escolherem as soluções da Apple justamente devido à arquitetura fechada.

Entretanto, iPhones são aparelhos caros, o que acaba pesando no orçamento. Os gestores, então, ficam em uma situação complicada, tendo de balancear os custos com uma possível preocupação com a segurança e os processos internos. A iniciativa da Google chega justamente para agir nesse quesito, tornando a escolha por aparelhos Android mais fácil.

Apesar de voltado para o segmento corporativo, o programa também deve trazer benefícios aos consumidores finais, devido ao compromisso com a atualização. A ideia, no final das contas, é garantir a presença de menos dispositivos defasados no mercado, mantendo não apenas a segurança em foco, mas também a chegada de novos recursos.

Fonte: Google

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.