Facebook pode estar trabalhando em seu próprio smartphone modular

Por Redação | 21.07.2017 às 09:00 - atualizado em 21.07.2017 às 10:41

O Facebook pode estar planejando entrar para o mercado de smartphones modulares. Isso é o que indica a patente da empresa publicada nesta quinta-feira (20), mas que já havia sido registrada pelo órgão fiscalizador norte-americano em janeiro de 2016. De acordo com o documento, trata-se de um dispositivo modular eletromecânico que permitiria a "combinação de módulos anexados a um chassi".

Os módulos da patente incluem um alto-falante, um microfone, um GPS e uma tela sensível ao toque, levando a crer que o registro poderia se referir a um smartphone, rastreador de GPS ou mesmo speaker inteligente. No caso do smartphone, a maioria dos aparelhos permite realizar poucas trocas de componentes, algo que a tecnologia modular quer mudar, possibilitando que os usuários possam fazer o upgrade das partes ao invés de ter de comprar um totalmente novo. "Da perspectiva do consumidor, o ciclo de vida de eletrônicos convencionais é caro e um desperdício", disse a empresa.

"Tipicamente, os componentes de hardware incluídos em eletrônicos que são considerados 'desatualizados' ainda estão usáveis. Contudo, os componentes de hardware não podem mais ser reutilizados, uma vez que os eletrônicos são desenvolvidos como sistemas fechados", argumentou o Facebook. O conceito que a empresa de Mark Zuckerberg parece estar trabalhando segue o mesmo objetivo do Projeto Ara, criado pela Google, mas que foi encerrado posteriormente.

Vale lembrar que o Facebook comprou no ano passado a Nascent Objects, empresa que utiliza impressão em 3D para criar protótipos modulares. A patente está registrada, inclusive, no nome de quatro funcionários que trabalhavam na Nascent. Além disso, a Building 8, divisão do Facebook que trabalha na aplicação da patente, conta com vários funcionários que já trabalharam no Projeto Ara quando estavam na Google.

No passado, Zuckerberg afirmou que não faria sentido o Facebook investir no desenvolvimento de um smartphone. "Se construíssemos um smartphone, só alcançaríamos um ou dois por cento dos nossos usuários. Isso não é nada incrível para nós", explicou o CEO na época. A empresa, no entanto, já atuou ao lado da HTC no desenvolvimento do HTC First 2013, trabalhando na criação do Facebook Home, aplicativo que visava tornar o Facebook e outras redes sociais uma parte central do sistema operacional.

Fonte: Business Insider