Em capa protetora, iPhone 5c sobrevive a quase seis meses no mar

Por Redação | 28.05.2015 às 12:11
photo_camera Divulgação

No passado, náufragos e pessoas perdidas, ou simplesmente românticos, lançavam ao mar mensagens engarrafadas para quem quer que as encontrasse. Dentro do vidro, o papel era mantido seco e poderia ser preservado por anos, até que chegasse às mãos de alguém. A modernização dessa fábula, porém, substitui o recipiente por uma bolsa estanque e a carta por um iPhone 5c, como mostra um caso curioso que começou a circular pelo Facebook na última semana.

Quem conta a história é Júlio Fiadi, que encontrou o smartphone enquanto nadava entre as praias de Veloso e Curral, em Ilhabela, no litoral do estado de São Paulo. Em post, ele diz ter visto uma corda preta a cinco metros de profundidade, amarrada a um objeto enterrado na areia. Ao puxá-la, surpreendeu-se ao ver que se tratava de um celular que, aparentemente, estava por ali há algum tempo e já acumulava algas no exterior da proteção.

Ao limpar e enxugar a bolsa, porém, ele percebeu que ela havia resistido às intempéries e mantido o aparelho seco em seu interior. Mais do que isso, apesar da bateria esgotada, ele permanecia funcionando. Após uma carga, Fiadi pode verificar que o dispositivo havia sido perdido no dia 31 de dezembro do ano passado, provavelmente permanecendo sob as águas desde então.

Vejam só....Hoje nadando entre as praias do Veloso e Curral em Ilhabela, ví uma fitinha preta saindo da areia lá no...

Posted by Julio Fiadi on Sexta, 22 de maio de 2015

Tirando o chip e o colocando em seu próprio aparelho, Fiadi descobriu o telefone da dona original do iPhone e, em contato com ela, soube também sua identidade: Bárbara, de 13 anos, que disse ter perdido seu 5c enquanto praticava stand-up paddle no fim do ano passado na Praia do Curral.

No fim das contas, um final feliz. O iPhone 5c e sua capa serão devolvidos à dona e a história curiosa continua sendo passada pelo Facebook – até o momento da publicação deste texto, eram mais de 2,4 mil compartilhamentos. E, acima de tudo, é uma constatação de que bolsas estanque realmente cumprem o prometido.

Fonte: Julio Fiadi (Facebook)