Acessibilidade na melhor idade

Acessibilidade na melhor idade

Por Andrea Brandi | 28 de Julho de 2021 às 10h00

O ser humano tem uma necessidade primitiva de contato social. Somos sociáveis por natureza e dependemos de uma vida em comunidade para nos desenvolvermos. Com a pandemia, tivemos de rever nossas formas de interação com entes queridos e amigos, mesmo sem estar presentes fisicamente. Se, para os mais jovens, se conectar à internet e usar aplicativos de mensagem instantânea já era algo comum, para grande parte dos idosos, falar com a família pelo celular ainda é um grande desafio.

Então fica aqui uma dica de conexão no Dia dos Avós, que está se aproximando. A interação social, mesmo que virtual, pode contribuir para a diminuição de doenças como a depressão, que surgem como sequelas das restrições de contato físico e de mobilidade. Porém, existem outras situações que aqueles que têm idade mais avançada precisam passar no dia a dia e que dependem do uso do celular.

Imagine como seria, por exemplo, se você tivesse alguma dificuldade de visão, mas quisesse fazer compras em um site de e-commerce. Os dados de acessibilidade no Brasil não são muito otimistas. Segundo o Censo do IBGE de 2010 há cerca de 45 milhões de brasileiros com alguma deficiência, além de idosos, daltônicos, pessoas com déficit de atenção, com limitações temporárias, entre outras condições que tornam a experiência e a usabilidade dos sites mais difícil.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Mesmo diante dessa realidade, estima-se que menos de 1% dos sites brasileiros seja acessível, de acordo com pesquisa realizada pelo Movimento Web para Todos. Os idosos, por exemplo, precisam de recursos de aumento dos textos exibidos na tela, mudança de cores de fundo ou de fonte, ferramentas de contraste ou leitor de texto em voz alta para poderem navegar pela internet.

Para os nativos digitais, mexer nos smartphones de hoje em dia é muito simples e intuitivo. As novas gerações já nasceram imersas nos diversos dispositivos tecnológicos que temos disponíveis, como se, desde a barriga da mãe, soubessem o que é touchscreen. E, talvez, a maior dificuldade dos jovens seja exatamente o equilíbrio entre a vida on e offline.

Com os smartphones, já podemos fazer de tudo, desde ouvir música, assistir filmes, efetuar transações bancárias, pedir comida, fazer videochamadas, ter aulas etc. E, se quisermos nos divertir ou passar o tempo, basta abrir alguns aplicativos de jogos, e pronto!

Embora alguns idosos tenham aumentado progressivamente seu acesso à internet, muitos ainda dependem da ajuda dos filhos e netos, que nem sempre têm paciência e disponibilidade para ensinar, o que acaba os afastando das novas tecnologias que, em tese, deveriam facilitar a vida de todos, independentemente da idade.

Esse fato faz com que empresas mais conscientes invistam na inclusão digital. Assim, os sites mais inclusivos oferecem, entre outras facilidades, assistente virtual para atendimento em libras, descrição de imagens e até mesmo opções de ajustes de fonte, que beneficiam o acesso de milhares de idosos e pessoas com deficiência visual parcial.

Outra forma de pensar em acessibilidade para idosos é ajudá-los a pesquisar o que veem com o Google Lens. Ao habilitar essa função em sua câmera, o usuário pode traduzir mais de 100 idiomas, encontrar produtos com uma captura de tela e ver itens semelhantes, identificar plantas e animais, aprender sobre pontos de referência e muito mais.

E para ajudar a ler textos com fontes muito pequenas, ainda é possível usar o Google Lens para selecionar um parágrafo do texto e ouvi-lo em voz alta. Ao fazer compras em supermercados, por exemplo, essa ferramenta permite traduzir embalagens de produtos para outros idiomas - útil se você estiver tentando entender o produto (sua composição, etc) ou aprender um novo idioma.

Para complementar, acredito que o fator humano, como a empatia, é fundamental nessa discussão. Por essa razão, podemos ajudar outras pessoas a usar as novas tecnologias com a mesma paciência que nossos pais e avós tiveram para nos ensinar tantas outras coisas, durante o nosso crescimento e desenvolvimento.

Neste Dia dos Avós, além de alertar sobre a importância da acessibilidade, gostaria de deixar meus sinceros votos de saúde e felicidade a todos os leitores e seus avós. Se você mora com eles, junte-se a eles e ajude-os nessa transição para o mundo digital. Se não mora, dê um hello por videochamada ou telefone, tudo vale para encurtar a distância e matar a saudade!

*Artigo produzido por colunista com exclusividade ao Canaltech. O texto pode conter opiniões e análises que não necessariamente refletem a visão do Canaltech sobre o assunto.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.