Os mais caros do mundo: iPhones 6 e 6 Plus são lançados oficialmente no Brasil

Por Redação | 14.11.2014 às 14:15
photo_camera Divulgação

Começou na madrugada desta sexta-feira (14) a venda dos iPhones 6 e 6 Plus no Brasil. O evento mobilizou os fãs da Apple no país que fizeram filas na frente das lojas para comprar o novo aparelhos da Apple. No entanto, a movimentação foi muito menor do que em anos anteriores, e o motivo é simples: os altos preços do aparelho no país.

No Brasil os valores não são apenas elevados, mas também conquistaram em 2014 o título de mais caros do mundo. Sendo vendidos a R$ 3.199, para o modelo do iPhone 6 com 16 GB, a R$ 4.399, a versão do iPhone 6 Plus com 128 GB, os preços são os maiores entre os 69 países onde os novos dispositivos já estão sendo vendidos.

O levantamento feito pelo blog Impávido Colosso mostra que os dois modelos lideram a lista de mais caros. No caso do iPhone 6, que no Brasil custa a partir de R$ 3.199, na Turquia, que aparece em segundo lugar, o smartphone sai por R$ 2.664. Na Itália, o mesmo aparelho custa R$ 2.318, na França R$ 2.255 e na Hungria R$ 2.253, sendo estes os cinco lugares mais caros do mundo para se comprar um iPhone. Os países onde o mesmo modelo é encontrado por preços mais baixos são os seguintes: Japão (R$ 1.505), Estados Unidos (R$ 1.672), Canadá por (R$ 1.699), Rússia por (R$ 1.750) e Emirados Árabes (R$ 1.824).

Já os preços iPhone 6 Plus não são muito diferentes nos mesmos locais do globo, e seguem praticamente a mesma ordem: Brasil (R$ 3.599), Turquia (R$ 3.004), Itália (R$ 2.668), Hungria (R$ 2.591) e França (R$ 2.573) com valores mais altos. E com os preços mais baixos estão novamente: Japão (R$ 1.772), Estados Unidos (R$ 1.930), Canadá (R$ 1.949), Rússia (R$ 2.023) e Emirados Árabes (R$ 2.105). Com isso, o preço no Brasil, onde o aparelho é o mais caro, é mais que o dobro do Japão.

Pensando no valor médio dos iPhones cobrados em dólares no mundo, o Brasil também sai em desvantagem e tem valores bem acima. A média do preço do iPhone 6 é de US$ 826, enquanto no Brasil é US$ 1.242, ou seja, 50% a mais. O iPhone 6 Plus tem um preço médio de US$ 948, enquanto aqui é 47% mais caro e custa US$ 1.397, segundo informações do site G1.

A Apple já justificou que não consegue reduzir os preços dos seus produtos por aqui devido as altas taxas alfandegárias cobradas no país. A empresa importou 50 mil iPhones, cada um com custo de US$ 440, mas o valor passa por um aumento de quase 70% após os reajustes com carga tributária. Dessa forma, a Apple defende que a parceria com as operadoras é uma opção para os clientes, pois essas companhias conseguem diminuir o preço vendendo o aparelho junto a um contrato.

Baixa procura

O título de iPhone mais caro do mundo refletiu nos consumidores, e as filas este ano para comprar os novos produtos da Apple foram bem menores do que nos anos anteriores. Na loja da TIM no Shopping Eldorado, em São Paulo, cerca de 40 pessoas compareceram ao local, enquanto os próprios compradores relataram que nos anos anteriores as filas davam voltas na loja. As lojas da Claro e da Vivo no mesmo shopping também tinham filas reduzidas, informa a Folha de S. Paulo.

Em Porto Alegre, três lojas abriram à 00h para vender os novos iPhones, mas até as 23h30 não era possível ver muita movimentação próxima aos estabelecimentos. Ainda assim, a loja da TIM recebeu os compradores com champanhe e petiscos, conta o Zero Hora.

No Rio de Janeiro, Gabriel Subtil, primeiro comprador do iPhone 5 e 5s no país, que já tinha afirmado que não iria comprar o novo modelo devido ao preço, voltou atrás na decisão após ser procurado pela Vivo que ofereceu um desconto pela compra atrelada a um plano de dados da operadora. Gabriel chegou à loja às 8h45 da manhã de quinta-feira e esperou por mais de 15 horas para ser o primeiro a comprar o iPhone 6 na loja.