Análise: LG Optimus L5, o smartphone de entrada com Android Ice Cream Sandwich

Por Pedro Cipoli

Quem comprou um aparelho Android há algum tempo já deve ter escutado aquela história de que ele não pode ser atualizado para a versão Ice Cream Sandwich por "não preencher os requisitos mínimos de hardware", o que estragaria a experiência de uso. Mas o Optimus L5, modelo voltado para o público de entrada, traz essa versão logo de fábrica, o que nos faz pensar se os fabricantes realmente não atualizam nossos aparelhos apenas para nos forçar a comprar novos modelos para ter sempre a versão mais recente.

As configurações não são nem de longe o que poderíamos chamar de potentes. De fato, com um processador single-core rodando a 800 MHz e 512 MB de memória RAM, ele traz especificações que encontrávamos já em 2010. O ponto atrativo deste modelo é a tela de 4 polegadas a um preço relativamente atrativo, uma vez que até então só era possível adquirir um modelo com uma tela desse tamanho em faixas de preço mais altas.

Mesmo trazendo uma versão mais pesada do Android, a LG fez um bom trabalho para deixá-la mais leve, o que acabou resultando em transições rápidas e fluidas. Entretanto essa escolha acabará não agradando a muitos usuários que estão acostumados a telas com resoluções maiores, especialmente quem já chegou a mexer em algum aparelho da linha Nexus do Google que trazem a versão pura do Android 4.

O Ice Cream Sandwich traz inúmeros recursos em 3D e transparências em sua forma natural, detalhes que quase não são observados no Optimus L5. Aqueles que estão vindo da versão 2.3 (Gingerbread) do Android aproveitarão todos os benefícios desse novo sistema e programas que só funcionam a partir dessa versão (como o Google Chrome), mas não podemos dizer que é atrativo para aqueles que já mexeram em alguma versão do Android 4 em diante.

Um recurso bastante propagandeado pela LG é o QuickMemo. Ele é bastante útil para quem precisa registrar informações rapidamente, sendo possível acessá-lo na área de notificação para poupar tempo e salvar as notas diretamente na galeria de imagem. Ele se diferencia de outros apps encontrados no market somente por ser integrado ao sistema e estar sempre aberto esperando novas notas, sendo possível fazer capturas de tela.

Fora isso o L5 não possui nada que o diferencie de um smartphone de entrada. Ele tem poder o suficiente para rodar alguns aplicativos básicos como o Evernote e alguns jogos bastante básicos. Quando tentamos rodar Angry Birds Star Wars o game funcionou, mas com gráficos um pouco piores e gastou bastante tempo de carregamento entre uma fase e outra.

Um ponto positivo deste modelo é a duração de bateria. Em nossos testes o L5 aguentou um dia inteiro com 3G, GPS e vários aplicativos de comunicação abertos, como Gtalk e Skype, e mesmo assim quando o dia acabou ele ainda possuía 46% de carga. Para quem costuma utilizar o smartphone de forma mais leve e habilitar o gerenciamento de energia, o L5 aguentaria tranquilamente 2 dias, o que é uma boa notícia pra quem, atualmente, precisa levar o carregador na mochila para manter o smartphone funcionando até a hora de chegar em casa.

Os acessórios são bastante simples. A embalagem inclui um carregador e um cabo USB - micro USB, manuais de usuário e um fone que de tão básico acaba machucando o ouvido e possui baixíssima fidelidade sonora. Quem costuma escutar músicas no smartphone provavelmente irá comprar um fone de ouvido a parte para essa tarefa, já que mesmo os modelos mais baratos são superiores ao padrão da LG.

Conclusão

O LG Optimus L5 pode ser encontrado no mercado brasileiro por cerca de R$ 599 - o que é um preço alto pela configuração que oferece, mas é um dos únicos modelos de entrada que traz uma tela maior sem custar um absurdo. Mesmo com essa qualidade, seu visual pode não agradar a todos. Ele é meio "quadradão" e traz uma resolução com a qual a maioria dos vídeos não podem ser vistos em tela cheia.

Para quem está em busca de recursos, o L5 pode não ser a melhor opção, já que o seu hardware limitado inviabiliza o uso de alguns aplicativos e jogos um pouco mais desenvolvidos. Porém, quem busca uma tela grande para usar aplicativos como bloco de notas, agenda pessoal, mensageiro instantâneo como Skype ou Gtalk, ou mesmo como primeiro smartphone Android, essa é uma boa opção.

Vantagens

  • Tela de 4 polegadas
  • Android 4.0 Ice Cream Sandwich de fábrica
  • Boa autonomia de bateria

Desvantagens

  • Preço alto pela configuração
  • Baixa resolução para o tamanho de tela
  • Especificações fracas para os novos aplicativos
Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.