LG G3 Stylus: um bom intermediário com caneta e tudo

Por Pedro Cipoli
photo_camera BRUNO HYPOLITO / CANALTECH

O G3 Stylus tem dois pontos que, no mínimo, prometem ser uma combinação de sucesso. Em primeiro lugar, temos a sua inspiração no LG G3, modelo mais avançado da empresa em 2014, em um intermediário bem mais acessível para o consumidor final. O segundo ponto é, como o nome sugere, a presença de uma caneta Stylus, um dos principais diferenciais de linha Note da Samsung e responsável pelo sucesso da linha. Será que o resultado é bom?

Design

Como dissemos, o G3 Stylus é praticamente uma cópia de carbono do LG G3 em praticamente todos os aspectos visuais. Com a tela desligada (veremos o motivo adiante) ele é idêntico ao top de linha, tanto em tamanho quanto no posicionamento dos botões na parte traseira, localização da câmera e construção em plástico que lembra metal (que a LG chama de “metal-like”), uma estratégia bem explorada pela Samsung com a sua linha Galaxy.

No geral não temos o que reclamar, já que é uma construção excelente para um aparelho que já é, por padrão, maior do que a média.

Tela

Ok, aqui temos um problema: o G3 Stylus é semelhante ao LG G3 também no tamanho de tela, mas adota uma resolução bem menor, e o resultado final não é muito bom para um aparelho que está posicionado no segmento intermediário. É uma simples combinação de uma tela grande de 5,5 polegadas e resolução qHD (540x960), o que resulta em uma densidade de pixels de 200 pontos por polegada. Basta considerar que modelos mais acessíveis, como o Moto G e o Zenfone 5, trazem um padrão PPP próximo a 300, sendo uma grandeza que varia exponencialmente.

O know-how da LG com suas telas LCD IPS minimiza esse problema, mas ainda assim se trata de um aparelho em que é possível ver os pixels sem grande esforço. O ideal seria utilizar pelo menos uma resolução HD, ainda que o Full HD fosse o mais indicado para esse tamanho, em especial pela altíssima competitividade do segmento intermediário.

Configuração

O G3 Stylus não chega a ser um smartphone rápido, trazendo um chip MediaTek MT6582, com quatro núcleos rodando a 1,3 GHz, 1 GB de memória RAM e GPU Mali-400 dual-core. No geral, ele é bastante responsivo, em especial pela leveza da interface proprietária da LG combinada com a versão 4.4 Kit Kat do Android (ainda sem previsão de atualização para o Lollipop).

Grande parte dos apps roda sem problemas, assim como vídeos em alta resolução. Sentimos falta de fôlego em alguns games mais pesados, já que a Mali-400 já é bastante antiga para os padrões de tecnologia atuais, algo que é um pouco compensado pela baixa resolução da tela. Há 8 GB de memória interna, o que é mais ou menos "Ok" para o segmento, com suporte para cartões microSD de até 64 GB.

Câmera

A LG tem mandado bem nas câmeras de seus aparelhos, equipando mesmo os modelos mais acessíveis com sensores que não deixam o usuário na mão. O G3 Stylus não foge à regra, trazendo uma câmera de 13 megapixels com flash, capaz de tirar fotos com excelente qualidade e gravar vídeos em Full HD com qualidade aceitável, ainda que peque por não trazer algum tipo de estabilização de imagem ou HDR.

De qualquer forma, esse é um quesito em que ele se sai muito bem em relação há vários concorrentes, mesmo com uma câmera frontal de 1,3 megapixel. Ambas não são capazes de competir com modelos high-end, mas podem atender perfeitamente o usuário que busca uma câmera para uso no dia a dia com qualidade aceitável.

Caneta Stylus, bateria e extras

O grande diferencial do G3 Stylus é justamente a caneta digital que dá nome ao aparelho. Ela dá funções a la Galaxy Note, ainda que de uma maneira mais simples, já que a Samsung teve bastante tempo para melhorar as funcionalidades de seus aparelhos. Ela quebra o galho para quem busca funções de anotação no aparelho, mas está um pouco longe do nível de precisão e otimização de apps da Samsung. Ainda assim, é um excelente começo.

A bateria é exatamente a mesma do LG G3, com 2940 mAh de capacidade, e não tivemos dificuldade de extrair um dia e meio de autonomia usando apenas um chip. A matemática é simples: mesma bateria, processador bem mais econômico e menos de um quarto da resolução, fazendo o G3 Stylus mais interessante do que o G3 original nesse quesito.

E vamos à lista de extras:

  • Suporte para dois chips, um deles com suporte 3G em todos os padrões nacionais e o segundo apenas para ligações (2G);
  • Bluetooth 4.0 com A2DP;
  • Wi-Fi nos padrões B/G/N com suporte para Hostpot;
  • GPS com A-GPS e GLONASS.

Conclusão

O LG G3 Stylus foi anunciado com o preço oficial de R$ 1.199, mas pode ser encontrado por valores bem mais acessíveis atualmente. Considerando somente as especificações, ele não parece uma opção tão interessante aos reis do custo-benefício de 2014, o Zenfone 5 e Moto G. Porém, a caneta Stylus é um diferencial importantíssimo encontrado em poucos modelos no mercado, considerando o total de aparelhos.

Vale a pena? Sim, se você está em busca de um aparelho com caneta Stylus e não quer encarar o alto preço da linha Note da Samsung. Porém, se não for o caso, ele passa a ser um phablet com especificações intermediárias e preço ligeiramente acima do esperado.

Vantagens

  • Caneta Stylus;
  • Boa autonomia de bateria;
  • Design elegante;
  • Câmeras capazes de atender muito bem.

Desvantagens

  • Preço um pouco acima do esperado;
  • Tela de baixa resolução, considerando o tamanho;
  • Desempenho 3D abaixo do esperado.