Como comprar um smartphone barato

Por Redação

Quando se vai comprar um novo aparelho, o preço baixo pode até ser chamativo, mas é a única vantagem. Pouca memória, pouco poder de processamento e defasagem nas atualizações sãos os principais problemas. Portanto, veja os detalhes que você precisa ter em mente antes de fazer "economia porca" e levar para casa algo que não vai te satisfazer plenamente.

Estabeleça um ranking: quais desses elementos abaixo mais te fariam falta no dia a dia? Defina essa hierarquia e escolha o melhor aparelho dentro das suas possibilidades!

Baixo poder de processamento

Não é à toa que os smartphones top de linha de hoje utilizam processadores quad-cores. Com os avanços dos sistemas operacionais e os jogos e aplicativos tornando-se mais robustos e exigentes, esses processadores são necessários para atender à demanda de uso. Enquanto isso, um smartphone barato vem geralmente com um processador de 1 núcleo apenas, e em frequências bem baixas (800 MHz na média). Alguns chegam a 1 GHz, portanto, prefira os que trazem clock mais alto.

Pouca memória RAM e armazenamento interno insuficiente

Memória RAM é como o combustível de um sistema operacional. Se a memória acaba (fica cheia), o sistema para. A maioria dos telefones em questão vem com 512 MB de RAM. Se isso mal é suficiente para rodar o Android, imagina para abrir aplicativos?

Programas como o Facebook e o Messenger são bem pesados, consumindo bastante memória RAM, então os 512 MB são rapidamente ocupados. Quando a memória acaba, o próprio Android começa a fechar aplicativos para liberá-la, acarretando em travamentos dos programas.

Sem contar que você vai ter que lidar com um sistema lento o tempo inteiro. Navegar na Internet ou usar o Facebook se tornarão tarefas incômodas, e quando você precisar da câmera para registrar aquele momento, pode esquecer, pois quando a câmera abrir, o momento já passou.

Os aplicativos estão se tornando cada vez maiores e, para viabilizar o uso deles, alguns baratinhos já oferecem 1 GB de memória. Portanto, prefira essa categoria!

Péssima sensibilidade ao toque e tela com baixa resolução

A tela da maioria desses telefones acessíveis é de baixa qualidade. A sensibilidade ao toque é bem ruim, e muitos deles não possuem o 'multi-touch', que detecta vários toques simultâneos na tela. Sendo assim, você não poderá tirar proveito de vários recursos que utilizam os toques múltiplos. Outro ponto negativo é a baixa resolução, normalmente abaixo dos 480x320. O Android tornou-se um sistema muito atrativo visualmente, algo que uma tela com baixa resolução não te permitirá aproveitar. Se você pensa em ter um smartphone para assistir filmes e vídeos do YouTube, é bom se ligar nesse detalhe para não passar raiva depois!

Construção com materiais de baixa qualidade

Você costuma carregar o seu celular para cima e para baixo, é do tipo desastrado que o derruba com frequência? Então, é bom procurar por aparelhos construídos com materiais mais resistentes. As telas feitas com Gorilla Glass são um bom exemplo disso, além dos corpos de alumínio. Já existem aparelhos baratinhos que trazem essas duas características.

Atualização de software

Último detalhe, mas não menos importante, é a atualização de software. Quando a Apple lança uma nova versão do iOS, a atualização é disponibilizada para todos os aparelhos que suportam aquela versão. Com o Android é um pouco diferente. Quando o Google lança uma nova versão do OS, geralmente as fabricantes demoram meses para disponibilizar a novidade para seus aparelhos top de linha. Quem dirá então para os mais baratos? Pode esquecer. Para se ter uma ideia, tanto o Galaxy S3 quanto o Galaxy Note 2, que já fazem parte de uma geração anterior, estão ainda na versão 4.1 do Android, e o Google já lançou a versão 4.4.

Mas o Google afirmou que o Android 4.4, lançado há pouco mais de um mês, funcionará com aparelhos mais antigos e mais fracos, com 512 MB de RAM. Isso pode abrir espaço para que as fabricantes atualizem aparelhos mais simples. Não custa perguntar, antes de colocar a mão no bolso, se o telefone escolhido já tem atualizações programadas.

Com tudo isso exposto, é de se pensar se vale a pena economizar na hora de comprar um novo smartphone, ou fazer um esforço a mais, organizar as finanças e adquirir um dispositivo melhor. Com aplicativos cada vez mais úteis, porém pesados e exigentes, é imprescindível um telefone de qualidade que atenda às suas expectativas.