BlackBerry apresenta sinais de estabilização em novo relatório

Por Redação | 19 de Junho de 2014 às 14h10

A BlackBerry divulgou nesta quinta-feira (19) seu relatório de contas do primeiro trimestre do ano fiscal de 2015. A problemática fabricante de smartphones fechou o período com um lucro de US$ 23 milhões, ou seja, US$ 0,04 por ação. No entanto, sem contar as transações em dinheiro, a empresa perdeu US$ 60 mil durante o período, informou reportagem do New York Times.

Segundo o relatório, a BlackBerry apresentou no primeiro trimestre uma grande redução de custos, no esforço do presidente e executivo-chefe, John S. Chen, de redefinir a empresa e alcançar uma estabilidade para as finanças da companhia.

A receita da BlackBerry, que estava em queda livre há alguns anos, apresentou redução de apenas 1% se comparada ao trimestre anterior, fechando em US$ 966 milhões. O caixa da empresa cresceu em US$ 429 mil em relação ao último trimestre do ano fiscal de 2014, para US$ 3,1 bilhões, no entanto, este crescimento não se deve a uma recuperação de mercado e sim à venda de imóveis e um reembolso de impostos. No ano passado, alguns analistas de mercado especularam que a BlackBerry ficaria sem dinheiro antes que pudesse reverter a queda do seu orçamento.

Durante o período, a venda de smartphones da empresa subiu, passando de 1,3 milhões no semestre anterior para 1,6 milhões de aparelhos neste novo relatório. Esses números, no entanto, são bem modestos perto dos resultados apresentados pelas concorrentes, neste mesmo período. Por exemplo: a Apple vendeu 43,7 milhões de iPhones.

Mesmo com os números abaixo do mercado, o presidente da BlackBerry afirmou que o plano de recuperação da companhia está funcionando. Segundo ele, a empresa tem focado em melhoria da eficiência, para que haja uma redução dos custos e uma maior margem de lucro. Para Chen, o objetivo é que o plano permita que a companhia volte a gerar lucro.

Entre as ações adotadas pela BlackBerry para sua recuperação no mercado está o investimento maior em software e serviços, deixando de lado a venda de aparelhos como principal fonte de renda. No último trimestre, a venda de software e serviços representou 61% da receita da empresa.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.