Apple registra tecnologia para proteger iPhones contra quedas

Por Redação | 03.12.2014 às 12:47

As capinhas e películas protetoras de tela podem ajudar, mas muitas vezes não são suficientes para proteger os celulares dos mais desastrados. Para mudar esse cenário, a Apple patenteou uma tecnologia que parece coisa do futuro. Graças a ela, o smartphone passa a ser capaz de detectar quando está caindo e estimar o ponto de impacto com o solo para alterar seu centro de gravidade de forma a proteger seus principais componentes. As informações são do Apple Insider.

Teoricamente, a ideia é garantir que os aparelhos não caiam com a tela ou a câmera viradas para o chão. Utilizando sensores que ficariam ativos durante todo o tempo, além da ajuda dos acelerômetros e giroscópios já presentes nos iPhones, o aparelho seria capaz de fazer uma varredura em tempo real de sua movimentação, detectando quedas por meio de movimentos erráticos ou velocidade. Sensores ultrassônicos também são citados como uma possibilidade na patente.

Patente iPhone queda

Tudo funciona a partir de um processador central dedicado. Quando as informações correspondentes são detectadas, o sistema é capaz de estimar a altura da queda, o tempo até o impacto e a posição do aparelho. Os cálculos são feitos em microssegundos e os resultados são aplicados a um motor localizado na parte central do iPhone, com pequenos pesos capazes de alterar o centro de gravidade e mudar a posição do dispositivo durante a queda, fazendo com que ele “aterrisse” de maneira mais segura, de lado ou com a parte traseira, por exemplo.

Ao que tudo indica, a Apple resolveu criar a tecnologia depois de chegar a conclusão de que quanto mais finos os aparelhos, mais propensos à destruição eles são. Desde o iPhone 4, quando a empresa modificou o corpo de seus smartphones e os tornou quase que inteiramente feitos de vidro, multiplicaram-se os casos de quebra de telas e partes traseiras, além de câmeras e outros componentes defeituosos devido aos choques. A tecnologia, claro, não é capaz de salvar totalmente a vida do dispositivo, mas vem para tentar reduzir os danos.

Na patente, que foi registrada pelo escritório competente nos Estados Unidos, a Apple cita que um sistema semelhante já poderia ser aplicado nos aparelhos existentes e apenas exigiria alterações sensíveis no motor que já proporciona a vibração ao celular. Os resultados, claro, não seriam tão eficazes e precisos, mas, sozinho, esse componente já seria capaz de alterar o posicionamento do dispositivo para minimizar os danos provocados pelas quedas.

Patente iPhone queda

A tecnologia também inclui sistemas que seriam capazes de ejetar fones de ouvido ou se aproveitar do fato de que eles estão conectados para mudar o ângulo da queda, além de cilindros de gás capazes de emitir ar para mudar a posição e superfícies com partes móveis aerodinâmicas que suavizariam o "pouso" do dispositivo no chão. Imagine um jetpack ou um carro de Fórmula 1, com suas asas móveis, só que elas estão na parte traseira do iPhone, e você entenderá mais ou menos como funcionam algumas das ideias da Maçã.

Mas nada disso significa que um futuro iPhone contará com tais tecnologias, claro. O registro de patentes serve para proteger invenções de usos indevidos e passar à frente da concorrência e nem sempre significa que as inovações efetivamente serão utilizadas. E, caso seja, podem acabar aparecendo de forma bem diferente de sua invenção original.

Até lá, caso você seja desastrado, é melhor continuar confiando nas capinhas e ter um pouco mais de cuidado com seu smartphone.