Alcatel anuncia dois novos smartphones no Brasil. Confira nosso hands-on

Por Pedro Cipoli | 31.07.2014 às 12:35

A Alcatel realizou nesta quarta-feira (30/07) um evento voltado para a imprensa para anunciar dois novos smartphones no mercado brasileiro: o One Touch C3 e o One Touch C5. Os dois são muito parecidos em muitos quesitos:

  • Processador dual-core de 1,3 GHz
  • 512 MB de memória RAM
  • Câmera traseira de 5 megapixels
  • Câmera frontal VGA
  • Display TFT
  • Dual-chip

A Alcatel aproveitou a coletiva de imprensa para explicar um pouco da história da empresa e também do esforço realizado no design dos aparelhos. Para nós, ambos trazem um visual muito semelhante ao do Galaxy S3 da Samsung. Na verdade, parecido com os modelos mais básicos inpirados no Galaxy S3, como o Galaxy S Duos, e ficou faltando somente o botão Home físico. As diferenças ficam por conta de alguns detalhes:

Alcatel One Touch C3:

  • Tela: 4.0 polegadas com resolução 480x800 e 262 mil cores
  • Preço: R$ 349

Alcatel One Touch C5:

  • Tela: 4,5 polegadas com resolução 480x854 e 16 milhões de cores
  • Suporte para televisão digital padrão 1Seg
  • Preço: R$ 499

Outro ponto que vale a pena mencionar é que lançar um aparelho, mesmo de entrada, com apenas 512 MB de memória RAM é suicídio. Ambos trazem a versão 4.2 Jelly Bean do Android e não a 4.4 Kit Kat, que utiliza compressão de memória e ficaria bem mais fluido nessas especificações. A Alcatel garantiu que os aparelhos serão atualizados, ainda que não tenha precisado uma data, mas fica a pergunta: por que não usar a versão mais recente, que já tem quase um ano de mercado?

Alcatel C5

Hands-on:

Vamos agora ao hands-on do One Touch C5, com as nossas primeiras impressões do aparelho. O que dissemos acima sobre os 512 MB de memória RAM não poderia ser mais verdade nele, que apanha para rodar mesmo o Android logo na primeira inicialização (e olha que os apps padrão não estavam atualizando em segundo plano). E o processador parece não ser muito o problema, já que roda 100 MHz mais rápido do que o processador do Moto E da Motorola.

Alcatel C5

Já a tela, ainda que seja TFT, se mostrou melhor do que esperávamos, considerando o seu preço de lançamento. As cores são bem pronunciadas e a iluminação não agride os olhos. Não é uma tela de má qualidade. O C5 vem com uma interface proprietária que é até bonitinha, com efeitos de transparência e um gerenciamento multitarefa interessante.

Alcatel C5

Alcatel C5

Alcatel C5

Dissemos que o visual de ambos lembra muito a família Galaxy da Samsung, algo que é ainda mais verdade no One Touch C5 do que no C3. Mesmo que levemos em consideração que os smartphones atuais não têm muito para onde correr em relação ao design, ainda mais nas linhas mais básicas, a semelhança é patente. Só começamos a ver o C5 como um modelo novo quando nos acostumamos com a ideia de que ele não tem um botão Home.

Alcatel C5

Um ponto que gostamos, e muito, foi o teclado padrão. Ao contrário do que acontece com modelos básicos, o padrão não é o do Android e sim o SwiftKey de fábrica, um dos melhores disponíveis atualmente (e que recentemente foi disponibilizado de forma gratuita. A Alcatel instalou alguns apps de fábrica, como Facebook, Twitter e WhatsApp, em geral os que o usuário já vai instalar de qualquer forma, mas que, assim como acontece com a maioria dos aparelhos, não pode ser desinstalado.

Alcatel C5

Alcatel C5

Alcatel C5

No geral a impressão que tivemos foi a de um aparelho que fica posicionado entre o segmento de entrada e flerta com a categoria de baixo custo. Durante a apresentação do C5 a Alcatel colocou-o como uma opção melhor do que o Moto E por trazer uma câmera frontal (que é VGA), e, bom, não sabemos se esse recurso sozinho é capaz de fazer frente aos vários pontos que o modelo mais básico da Motorola tem a seu favor. Vamos testar cada detalhe do C5 e publicar uma análise completa nas próximas semanas. Não deixe de conferir!