Produtor de Luke Cage revela ter se inspirado em “Cidade de Deus”

Por Redação | 21.07.2016 às 23:33

Prevista para estrear em 30 de setembro, a nova série Luke Cage será uma parceria entre a Marvel e a Netflix com uma história repleta de ação. E nesta quinta-feira (21), o produtor Cheo Hodari Coker participou da Comic-Con em San Diego, onde conversou com a imprensa e falou um pouco sobre a nova produção – que ele teria comparado com o filme brasileiro Cidade de Deus.

Em entrevista ao Omelete, o ator Mike Colter disse que “Luke Cage é uma série sobre um herói negro que lida com diversas questões importantes da nossa sociedade atual.” Não pegamos muitas inspirações nas histórias originais, pois muito daquilo não corresponde à nossa época”, completou.

Luke Cage Cartaz

Mike Colter, que interpretou Luke Cage na série Jessica Jones e viverá novamente o personagem na nova série (Reprodução: Divulgação)

O produtor, por sua vez, comparou a produção com Cidade de Deus: “Em muitos termos, a série trata de assuntos que a sociedade negra dos Estados Unidos hoje discute, mas ao mesmo tempo diz a respeito do mundo todo. É como Cidade de Deus, um filme incrível que tem uma cultura diferente da nossa, mas que você consegue identificar uma originalidade e sentir a energia que a história transmite”, disse Coker, que também revelou que o filme brasileiro mudou sua vida. “Para mim, é o melhor filme de hip hop de todos o tempos. (...) Quando assisti ao filme pela primeira vez e vi aquelas cenas dentro do apartamento, a corrida com a galinha, tudo isso me remeteu à cultura dos anos 70 de um jeito incrível. Levo Cidade de Deus como inspiração para meu trabalho e com Luke Cage não é diferente”, completou.

A série Luke Cage contará as aventuras do protagonista que, depois de um experimento sabotado enquanto era um presidiário, adquiriu poderes especiais. Cage acaba tornando-se um fugitivo e tenta reconstruir sua vida no bairro do Harlem, em Nova Iorque, mas em determinado momento da trama inevitavelmente o personagem se vê obrigado a confrontar seu passado.

Fonte: Omelete