Você tem um Galaxy S7? Cuidado! Ele está vulnerável à falha Meltdown

Por Natalie Rosa | 08 de Agosto de 2018 às 12h37
Tudo sobre

Samsung

Saiba tudo sobre Samsung

Ver mais

Os smartphones linha Galaxy S7, da Samsung, possuem uma falha de segurança que deixa seus usuários vulneráveis a ataques de hackers, de acordo pesquisadores da Universidade Graz Technical da Áustria.

Segundo os profissionais, o Galaxy S7 e outros smartphones desenvolvidos pela Samsung foram afetados pelo Meltdown, que também prejudicou computadores e aparelhos celulares de outras fabricantes em todo o mundo. Agora, eles descobriram uma forma de explorar a ameaça.

A equipe de pesquisadores planeja divulgar o resultado de suas descobertas no evento de segurança Black Hat, que acontece hoje (8) em Las Vegas. O grupo vem estudando o impacto do Meltdown em outras marcas e modelos de smartphones que podem se tornar vulneráveis.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

"Ainda há potencialmente mais smartphones afetados que ainda não sabemos e milhões de aparelhos espalhados por aí que estão infectados pelo Meltdown e que não podem ser corrigidos porque os próprios fornecedores não sabem", conta o pesquisador Michael Schwarz.

Entre os meses de janeiro a julho, a Samsung diz ter implementado patches de segurança para proteger tanto o Galaxy S7 quando o Galaxy S7 Edge contra a vulnerabilidade. Contatada pela Reuters, uma porta-voz da empresa sul-coreana disse que não há casos relatados em que o Meltdown tenha sido explorado para fazer ataques em um aparelho da linha e de nenhum outro smartphone da fabricante.

Os malwares Meltdown e Spectre foram descobertos entre o final do ano passado e o início deste ano, afetando todos os dispositivos com chipsets da Intel. O que se viu depois disso foi uma verdadeira corrida contra o tempo, com as fabricantes buscando uma solução para seus clientes.

Atualmente, segundo pesquisa da Strategy Analytcs, o Galaxy S7 é utilizado por cerca de 30 milhões de pessoas em todo o mundo.

Fonte: Reuters

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.