Vazamento de fotos de celebridades nuas não foi culpa da Apple, aponta processo

Por Redação | 16.03.2016 às 11:04

Quase dois anos depois de um vazamento gigantesco de fotos de celebridades nuas, documentos da justiça norte-americana parecem apontar que o problema não aconteceu devido a uma falha nos serviços da Apple. Pelo contrário, a publicação não-autorizada das imagens aconteceu pelas mãos do hacker Ryan Collins, que teria usado engenharia social e e-mails falsos para obter acesso a mais de 120 contas do Google e da Maçã.

De acordo com os papéis do processo sobre o caso, ele teria usado uma comunicação falsa das empresas para fazer parecer que a senha das vítimas precisava ser redefinida. Quando elas entregaram as informações de login, ele invadiu as contas, pôde ler e-mails, visualizar arquivos e baixar as fotos que mais tarde foram publicadas online.

O “Fappening”, como o caso ficou conhecido, teve como principal atingida a atriz Jennifer Lawrence, que aparece nua no maior lote de fotos íntimas entre as divulgadas. Vazaram também imagens de celebridades como Mary Elizabeth Winstead, Krysten Ritter, Brie Larson, Avril Lavigne, Kirsten Dunst e diversas outras. Foram centenas de imagens publicadas em fóruns anônimos e compartilhadas por serviços de torrent e compartilhamento de arquivos.

Após investigar o caso, o FBI conseguiu chegar a Collins, que admitiu a autoria das invasões. Agora, ele enfrenta uma pena máxima de cinco anos de prisão e multas de até US$ 250 mil. Entretanto, os advogados do réu tentam obter um acordo que reduziria o tempo atrás das grades para 18 meses depois que ele confessou estar por trás do crime e revelou detalhes sobre sua forma de agir.

Na época, e durante muito tempo, uma falha no iCloud foi apontada como a responsável pelas invasões. Para muitos especialistas, a plataforma estaria vulnerável a ataques de força bruta, nos quais um hacker usaria softwares para realizar centenas de tentativas sucessivas de acesso por senha até obter sucesso. Na época, a Apple negou essa possibilidade, algo que acabou se confirmando anos depois.

Fonte: TechCrunch