Urna eletrônica é invadida em teste público de segurança feito pelo TSE

Por Redação | 04 de Dezembro de 2017 às 13h10

Na última sexta-feira (1), o Tribunal Superior Eleitoral apresentou um relatório parcial do Teste Público de Segurança das urnas eletrônicas que serão usadas nas próximas eleições. O teste contou com a presença voluntária de equipes de especialistas em informática, que fizeram seu melhor para invadir as urnas eletrônicas e conseguir acesso aos dados armazenados.

Segundo detalhes cedidos no relatório parcial divulgado, um dos grupos de especialistas, liderado pelo professor da Unicamp Diego Aranha, encontrou falhas sistêmicas importantes nas urnas eletrônicas, chegando a ter acesso ao conteúdo dos votos. Apesar da invasão, o conteúdo dos votos não pôde ser alterado por nenhum dos grupos de hackers do bem.

Em vídeo postado pelo TSE através de sua conta no Twitter, José de Melo Cruz, atual Coordenador de Sistemas Eleitorais do TSE, explicou que o Tribunal está comandando ações para resolver as falhas em tempo hábil para as eleições presidenciais de 2018. Veja abaixo a reprodução do tweet do TSE:

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Conforme o que está previsto no edital do Teste Público de Segurança, os relatórios estarão disponíveis na íntegra após 12 de dezembro.

Sobre o processo de Teste Público de Segurança, o ministro Gilmar Mendes, atual presidente do TSE, afirmou:
“Isso demonstra que a confiabilidade, a credibilidade e a transparência são, a cada ano, mais e mais robustecidas nos componentes do sistema, tanto os de hardware quanto os relativos a softwares e equipamentos correlatos”. Ele encerrou sua fala agradecendo aos pesquisadores que se dispuseram a testar as urnas.

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.