Um dos maiores bancos de Bitcoins do mundo é hackeado na Coreia do Sul

Por Redação | 05 de Julho de 2017 às 10h34

O Bithumb, um dos quatro maiores bancos de Bitcoins do mundo, foi hackeado nesta quarta-feira (05). A brecha ocorreu a partir de um computador de um funcionário, e por mais que os servidores centrais da organização não tenham sido acessados, o ataque resultou na perda de dinheiro e vazamento de informações confidenciais de clientes, com dados como endereços de e-mail e números de telefone roubados pelos invasores.

A instituição fica na Coreia do Sul, e, de acordo com a mídia do país, cerca de 30 mil clientes teriam sido atingidos. Veículos especializados em moedas digitais, por outro lado, já falam no roubo de “bilhões de wons” dos cofres digitais da Bithumb, uma informação que ainda não foi confirmada pela empresa. A título de comparação, um bilhão de wons é o equivalente a cerca de US$ 870 mil.

Existem relatos, também, de tentativas de golpe a partir das informações vazadas. Um cliente da instituição, por exemplo, disse ter sido contatado por alguém se passando como um funcionário da Bithumb, que teria solicitado novas informações de acesso à conta. Quando percebeu que algo estava errado, entretanto, sua carteira virtual já estava limpa.

A empresa não confirmou tais relatos, mas disse que houve, sim, o roubo de fundos, não por conta da invasão, mas devido à utilização de senhas inseguras ou do uso de palavras-chave padrões, que são aleatórias e dadas aos usuários no momento em que eles criam a carteira virtual. Por outro lado, o fato de apenas o computador de um funcionário ter sido invadido mitigou bastante o alcance dos hackers às informações mais sensíveis.

Apesar desse fator, a Bithumb disse que as senhas pessoais dos usuários não foram roubadas do serviço e que, se os hackers obtiveram acesso às carteiras, isso aconteceu por outros meios, como engenharia social ou a utilização de senhas em mais de um serviço, no cruzamento com outros vazamentos. A empresa alerta aos clientes para que não passem informações pessoais por e-mail ou telefone e modifiquem as credenciais de acesso em qualquer serviço que tenha sido comprometido.

O caso já motivou a abertura de um inquérito pelas autoridades sul-coreanas, cujo escritório especializado em segurança digital foi acionado após os relatos de que usuários teriam perdido dinheiro. Uma investigação está em andamento, mas, como o caso é recente, os trabalhos ainda estão em estágios iniciais.

Uma investigação interna também está em andamento pela Bithumb, que, apesar da invasão, continua operando. O hack, apesar de ter atingido um dos maiores câmbios de Bitcoins do mundo, não causou oscilação no valor da criptomoeda, que segue estável. No momento em que essa reportagem é escrita, o preço da unidade é de R$ 8.843.

Fonte: Business Insider

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.