Tablets e notebooks podem ser proibidos em voos da Europa para os EUA

Por Redação | 26 de Abril de 2017 às 09h45

A administração de Donald Trump continua tomando decisões polêmicas e não demonstra estar disposta a mudar isso. Tanto é que nesta terça-feira (25) surgiram indícios de que a Casa Branca agora está considerando proibir o transporte de tablets e notebooks também em voos que partem da Europa com destino aos Estados Unidos.

A desculpa para isso é a mesma dada pelo Departamento de Segurança Nacional há um mês, quando a medida passou a valer para dez aeroportos no Oriente Médio e no norte da África. Agora, segundo informações obtidas pelo Guardian, a ideia é expandir a proibição e abranger voos que partem do Velho Continente, incluindo do aliado de longa data Reino Unido, rumo ao país.

Em comunicado oficial, o porta-voz do Departamento de Segurança Nacional, Gilian Christensen, tentou espanar os boatos, mas não negou a possibilidade de ampliar a proibição a mais países. “Vamos continuar avaliando as ameaças [ao nosso país] e tomaremos decisões baseadas nisso. Mesmo assim, ainda não tomamos nenhuma decisão sobre expandir as atuais restrições”.

Atualmente, voos partindo de alguns aeroportos na Jordânia, Egito, Turquia, Arábia Saudita, Kuwait, Marrocos, Catar e Emirados Árabes com destino aos EUA não permitem que os viajantes levem consigo eletrônicos maiores que um smartphone, obrigando-os a colocar os gadgets nas bagagens despachadas. A ideia é que, no futuro, além dessa proibição, o governo de Trump também passe a pedir pela senha dos celulares de turistas que queiram visitar o país, numa tentativa de coibir ataques terroristas.

Fonte: The Guardian