Suspeito de pedofilia engole pendrive para evitar flagrante

Por Redação | 11.08.2016 às 21:23

Nesta quinta-feira (11), uma operação da Polícia Federal contra a pedofilia na web acabou com, pelo menos, 15 suspeitos presos em flagrante. De acordo com as informações, os homens são acusados por armazenar e compartilhar material pornográfico infantil na internet. Um dos integrantes do grupo é um servidor da Câmara dos Deputados, responsável por guardar 300 HDs em sua residência.

Durante a apreensão, os policiais pegaram smartphones, pendrives, computadores e outros dispositivos de armazenamento. Todos os equipamentos passarão por perícia na superintendência da PF. Segundo relato do delegado responsável pelo caso, Stênio Santos Sousa, um dos suspeitos chegou, inclusive, a engolir um pendrive, que provavelmente continha imagens de crianças, para e evitar o flagrante.

O delegado, que é responsável por apurar crimes cibernéticos, explica que "é crime armazenar, ter consigo imagem de sexo explícito ou pornográfico envolvendo crianças e adolescentes". Para cometer os delitos, o grupo distribuia o material via P2P pela internet, e utilizavam a deep web para a divulgação da pornografia.

A operação levou, ao todo, um ano para ser concluída, e a partir de agora todo o material recolhido será investigado. Os suspeitos que foram acusados de armazenar os arquivos foram liberados depois de pagar fiança no valor de R$ 40 mil. Os presos, caso sejam condenados, podem ficar de 3 a 20 anos em reclusão.

Fonte: G1