Senadores dos EUA querem restaurar regras que garantem a privacidade na internet

Por Redação | 06 de Abril de 2017 às 19h04
photo_camera Divulgação

Senadores democratas se movimentam a fim de restaurar a legislação pró-privacidade de usuários de internet da era Obama que acaba de ser revogada pelo atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Dois dias após Trump autorizar que os provedores de internet coletem e vendam os dados de seus usuários sem autorização, o senador Ed Markey apresentou um projeto que devolve a privacidade às pessoas na internet.

O parlamentar conta com o apoio de outros 10 senadores democratas, incluindo o popular Bernie Sanders, que quase foi o candidato do partido às eleições presidenciais de 2016. Segundo o projeto apresentado por ele, os provedores de internet ficam proibidos de negociar dados como histórico de navegação e estatísticas de uso de seus clientes sem autorização prévia.

Apesar da mobilização, a equipe de parlamentares enfrenta a oposição dos políticos republicanos na casa legislativa, que já votaram contra propostas semelhantes em fevereiro e março e ajudaram Trump a suspender a legislação a favor da privacidade.

Controle de informações sensíveis

“Graças aos congressistas republicanos, as corporações, e não os consumidores, estão no controle de informações sensíveis sobre a saúde, as finanças e os filhos de americanos”, escreveu o Markey em um comunicado enviado ao BuzzFeed. “A legislação vai reestabelecer as regras para proteger os consumidores de invasões abusivas à sua privacidade”, complementou o político.

Assim, baseado nisso, o projeto do senador pretende classificar dados como o histórico de navegação de uma pessoa como “informação sensível”, exigindo que nada pudesse ser acessado ou negociado sem a autorização do próprio usuário.

O lado republicano

Por sua vez, os republicanos justificam a sua luta contra a privacidade de dados de uso na internet alegando que elas são onerosas ao Estado e injustas com os provedores. Isso porque outras empresas da web, como Facebook e Google, não sofrem as mesmas restrições na hora de acessar os dados dos usuários.

“O que nós precisamos na internet é de uma uniformidade de regras, e não regulamentar parte da internet de um jeito e outra parte, de outro”, disse o senador republicano Jeff Flake durante a votação de março.

De qualquer maneira, o embate entre quem é a favor e quem é contra a privacidade de dados de uso da internet ainda deve ter mais alguns capítulos. Ao menos por enquanto, o lado que quer suspender o direito à privacidade está vencendo.

Fonte: BuzzFeed News