Saiba como tornar sua senha ainda mais segura e evitar problemas

Por Patrícia Gnipper

Qual é a senha do seu e-mail? Você provavelmente não responderá essa pergunta, mas será que sua senha é segura a ponto de proteger de fato suas contas de usuário? De acordo com a SplashData, companhia que atua no segmento de segurança em TI há mais de dez anos, as senhas mais comumente utilizadas em 2015 ainda foram combinações bastante óbvias e nada seguras, como “123456”.

O relatório anual chamado “Worst Passwords List” (“Lista das Piores Senhas”, em português) pode ser conferido na íntegra aqui e traz resultados bastante preocupantes. Esse monitoramento é feito há cinco anos com base em senhas que “vazaram” internet afora — somente em 2015, 2 milhões de senhas expostas foram analisadas pelo relatório —, e a conclusão que ficou é a de que a maioria dos usuários de serviços diversos na internet não está tão preocupado assim com a segurança de suas senhas.

A empresa dá três dicas de ouro para aumentar a sua proteção virtual. A primeira: sempre que possível, utilizar palavras ou frases com o máximo de caracteres aceitável, misturando letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos. Somente com essa sugestão a segurança de sua senha será elevada consideravelmente, mas outras duas recomendações dos especialistas são evitar repetir a mesma senha em diferentes serviços e optar por ferramentas que criam, organizam e protegem esses dados.

Frases são mais interessantes

Antes de começar a pensar em qual será sua próxima senha, vale a pena ter em mente que palavras e combinações numéricas com algum significado (como sua data de nascimento, por exemplo), estão no nível mais baixo de segurança. E não adianta abrir um dicionário e escolher uma palavra aleatória: sentenças são sempre mais confiáveis do que palavras simples.

frase de senha

Exemplo de frase que se tornou uma boa senha. "I'm glad my password is a good one" significa algo como "estou feliz por minha senha ser boa", e o usuário trocou algumas letras por números, além de adicionar um ponto de exclamação no código (Reprodução: Divulgação)

Isso porque quanto maior a sequência de caracteres, mais difícil será para desvendarem sua senha. Então senhas com mais de oito caracteres são mais seguras, e a ideia é elaborar uma sentença curta o suficiente para caber no limite de caracteres oferecido pela ferramenta em questão, mas longa o suficiente para elevar sua segurança.

Repetir senhas é um vacilo

Senha do e-mail pessoal, e-mail profissional, redes sociais, contas bancárias… são diversos os serviços que exigem uma palavra-passe na autenticação, e a cada novo serviço online lançado, lá vamos nós criar uma nova senha. Mesmo com as ferramentas que permitem “logar” utilizando contas já existentes de redes sociais, é bastante grande o número de sites e apps para os quais precisamos criar senhas exclusivas. Com isso, a tendência é utilizar a mesma senha para vários, mas, apesar de ser mais fácil para a memorização, a segurança vai para o brejo.

Por exemplo, caso sua senha do Facebook vaze por aí, se ela for a mesma de seu Twitter você terá duas redes sociais comprometidas de uma só vez. Mas caso seja realmente complicado lembrar de tantas senhas diferentes, pelo menos uma você jamais deve repetir em outras contas — que é a senha do seu e-mail (ou dos e-mails, se utilizar mais de um). Como o e-mail é utilizado para praticamente qualquer cadastro que fazemos na internet, perder a senha dessa conta trará muitas dores de cabeça.

Outro fator que reduz a confiabilidade de uma senha é usar a mesma palavra, frase ou código por muito tempo. É recomendado trocar todas as suas senhas (ou, pelo menos, as dos serviços mais relevantes) periodicamente.

Delegando responsabilidades

Considerando que é preciso ter uma senha diferente para cada serviço online, utilizar sentenças com letras e números e renovar esses códigos temporariamente, haja memória para guardar tudo isso! Então que tal delegar essa responsabilidade para “alguém” confiável? Esse “alguém” se trata de um bom gerenciador de senhas. De acordo com o que Mark Hocking, vice-presidente da Intel Security´s True Key, disse ao PC World, “atualmente, a melhor opção para os usuários é escolher um gerenciador que consiga criar senhas complexas para que você não precise fazer isso”.

Esses programas e serviços armazenam suas informações de login de todas as contas que desejar e criptografa esses códigos para que fiquem guardados com a devida segurança. Com um programa desses, a única senha que você realmente precisará decorar é a utilizada para entrar na ferramenta. Todas as demais serão geradas e trazidas pelo programa ou aplicativo.

Sugestões

Alguns gerenciadores de senhas já foram testados e aprovados pelo Canaltech. Entre eles está o LastPass, que, na verdade, á uma extensão para navegadores compatível ccom o Firefox, Internet Explorer, Chrome e Safari. Contudo, para fazer o upgrade de seu cadastro e ter acesso à versão premium, que é compatível com dispositivos móveis (incluindo iOS, Android, BlackBerry e Windows Phone), será preciso desembolsar US$ 1 por mês.

LastPass

Já o Dashlane é um aplicativo pronto para ser usado tanto em Windows ou Mac, quanto em iOS e Android, que gerencia suas senhas com a possibilidade de também armazenar informações de cartões de crédito, programas de fidelidade, recibos, documentos pessoais, anotações e screenshots. A versão gratuita tem recursos reduzidos, e quem quiser explorar o máximo do potencial do serviço terá que investir US$ 19,99 anualmente.

Dashlane

Esses serviços são uma verdadeira “mão na roda” na hora de criar e armazenar nossas mais diversas senhas, mas, no entanto, não há garantias de que esses serviços também não possam ser invadidos ou sofrer ataques maliciosos por parte de criminosos virtuais.

Bloco de notas pra que te quero

Os mais desconfiados talvez não caiam nas graças dos gerenciadores de senha, e com sua razão, já que nenhum serviço online está 100% protegido de possíveis ataques e invasões. Mas qual seria, então, a solução mais segura para armazenar suas senhas?

Há quem acredite que nada será mais confiável do que um bloco de notas comum. Explicando: ao ser contaminado com um vírus ou arquivo malicioso similar, ele não terá como saber que um documento “.txt” qualquer trata-se de um depósito de senhas (a não ser, claro, que você seja ingênuo a ponto de salvá-lo com o nome “senhas”!). Porém, caso seu computador seja acessado por outras pessoas, essa confiança no bloco de notas pode ser perdida.

Resta, então, combinar todos os métodos: guardar aquelas mais importantes (como a senha do seu e-mail ou os códigos para acesso bancário) na memória, enquanto salva outras em um bloco de notas e mais outras no gerenciador.