Relatório revela que crime cibernético gera prejuízo global de US$ 600 bilhões

Por Natalie Rosa | 21 de Fevereiro de 2018 às 17h38
Reprodução: Instituto Federal de Fiscalização

Crimes cibernéticos geraram um prejuízo de quase US$ 600 bilhões para as empresas, representando 0,8% do PIB mundial, segundo o relatório global Impacto econômico do crime cibernético: sem sinais de desaceleração.

A pesquisa, realizada pela McAfee em parceria com a Center for Strategic and International Studies (CSIS), analisou o aumento da forma em que os cibercriminosos adotam novas tecnologias para os ataques nos últimos três anos, além de estudar a facilidade da entrada ao crime cibernético.

Para Steve Grobman, CTO da McAfee, "o mundo digital transformou praticamente todos os aspectos de nossas vidas, influenciando até mesmo o crime e os riscos". O executivo comenta ainda que o crime está "mais eficiente, menos arriscado, mais lucrativo e mais fácil de praticar do que nunca".

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Grobman cita o ransomware, afirmando que os criminosos podem terceirizar grande parte do trabalho a prestadores de serviço especializados. "Os provedores de nuvens de 'ransomware-como-serviço' adaptam os ataques para atingir milhões de sistemas. Esses ataques são automatizados e requerem o mínimo de intervenção humana. Para agravar o problema, as criptomoedas facilitam e aceleram a obtenção de lucros, além de minimizar o risco de prisão. Infelizmente, a cifra de US$ 600 bilhões associada ao crime cibernético reflete como os avanços tecnológicos transformaram a economia do crime de forma tão profunda como todas as outras partes da nossa economia", conta Grobman.

Ainda de acordo com o estudo, os bancos seguem como o principal alvo dos cibercrimes, e os estados-nação em conflitos internacionais são as fontes mais perigosas. O relatório cita a Rússia, Coreia do Norte e Irã como os países que mais efetuam ciberataques em instituições financeiras, e a China como o país com mais espionagem cibernética.

James Lewis, vice-presidente sênior da CSIS, conta que a Rússia é o país líder em crimes cibernéticos, e que a Coreia do Norte, Brasil, Índia e Vietnã estão com a tendência em crescimento.

Foram analisados crimes cibernéticos na América do Norte, Europa, Ásia Central e Oriental, Pacífico, América Latina, Caribe, África Subsaariana, Oriente Médio e Norte da África. Os resultados mostram mais prejuízos em países ricos, porém os valores mais altos foram encontrados em nações de nível econonômico intermediário.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.