Procon-SP avalia proibição de pagamento a apps de delivery no ato da entrega

Procon-SP avalia proibição de pagamento a apps de delivery no ato da entrega

Por Roseli Andrion | Editado por Claudio Yuge | 30 de Julho de 2021 às 16h30
Pixabay

Os pagamentos de pedidos de entrega por aplicativo podem passar a ocorrer apenas online — cobranças no ato da entrega, então, ficariam proibidas. Pelo menos é isso que o Procon-SP quer: o órgão estuda medidas para que as empresas responsáveis só ofereçam a opção de pagamento diretamente na plataforma.

A iniciativa busca impedir os golpes aplicados por entregadores, que têm aumentado. De janeiro a julho deste ano, foram registrados 341 atendimentos referentes aos golpes aplicados por entregadores dos apps iFood, Rappi e Uber Eats. No mesmo período do ano passado, foram 144 reclamações — um aumento de mais de 136%. Veja os dados completos aqui.

Imagem: Reprodução/Pexels

Segundo os consumidores, os valores debitados no cartão são superiores ao preço confirmado. Eles só percebem o golpe após a entrega ter sido feita e o pagamento ter sido efetivado. Além disso, afirmam que, apesar de reclamarem com a empresa responsável, não conseguem reaver os valores.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Fernando Capez, diretor-executivo do Procon-SP, diz que, como medida de prevenção, o Procon-SP orienta os consumidores a efetuarem os pagamentos online, não no momento da entrega. “Assim, o contato entre cliente e entregador é exclusivamente para receber a mercadoria”, explica.

Um vídeo divulgado recentemente mostra uma senhora recebendo uma entrega de comida em casa. Sem que ela perceba, o entregador filma a frente e o verso do cartão enquanto afirma que aguarda sinal para conseguir efetivar a operação. Além disso, ele se oferece para iluminar a máquina enquanto a vítima insere a senha.

Os valores reclamados pelos consumidores ultrapassam R$ 1,3 milhão. Até julho deste ano, a soma dos valores foi de mais de R$ 650 mil reais, considerando iFood, Rappi e Uber Eats. No mesmo período de 2020, o valor foi de mais de R$ 695 mil.

Dicas para não cair no golpe

De preferência, faça o pagamento diretamente no aplicativo. Se isso não for possível, fique atento sempre que receber entregas desses aplicativos. É importante conferir o valor da compra e não dar o cartão ao entregador. Se a máquina estiver com o visor quebrado e não for possível confirmar os dados, não insira a senha.

Imagem: Reprodução/Envato/Iakobchuk

Dados de cartão nunca devem ser fornecidos por telefone. Se o entregador informar que é necessário pagar um valor extra, desconfie. Em caso de dúvida, entre em contato com o estabelecimento em que fez a compra.

Se tiver problemas, registre reclamação no Procon-SP — pelo site ou pelo aplicativo, disponível para Android e para iOS.

Fonte: Procon-SP

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.