Polícia Federal teria monitorado WhatsApp de suspeitos de terrorismo

Por Redação | 21 de Julho de 2016 às 16h40
Tudo sobre

WhatsApp

Após anunciar que prendeu um grupo suspeito de planejar um ataque terrorista no Rio de Janeiro durante as Olimpíadas no próximo mês de agosto, a Polícia Federal deu mais detalhes sobre a operação que resultou na descoberta de um envolvimento do grupo extremista Estado Islâmico com o caso. Mesmo sem dar muitos detalhes sobre o processo, a PF disse que monitorou conversas de WhatsApp e Telegram dos suspeitos antes de emitir os mais de 10 mandados de prisão revelados nesta quinta-feira (21).

De acordo com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, os suspeitos faziam parte de um grupo virtual chamado “Defensores da Sharia” e tinham conversas que iam desde sobre comentários sobre o EI até os preparativos para o ataque durante os jogos. Moraes conta que, a partir do momento em que eles começaram a preparar para executar o plano, o Governo Federal tratou de agir rapidamente para evitar que qualquer coisa acontecesse.

Porém, a revelação fez com que uma grande dúvida surgisse: como a Polícia Federal monitorou essas conversas se os aplicativos de bate-papo utilizam um sistema de criptografia que torna impossível que qualquer outra pessoa tenha acesso ao conteúdo da conversa? Vale lembrar que o WhatsApp chegou a ser suspenso nesta semana, pela terceira vez em 2016, exatamente por não quebrar a proteção após um pedido da Justiça brasileira para isso.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Alexandre de Moraes

Ministro da Justiça não revelou como polícia monitorou conversas criptografadas no WhatsApp

Tanto que o ministro se negou a dar detalhes sobre isso. De acordo com Moraes, qualquer mecanismo utilizado na investigação que revele procedimentos como esse ajudariam um suposto terrorista a driblar a Polícia Federal no futuro, criando enormes brechas de segurança. Ele ainda disse que é preciso que haja uma regulamentação para que a Justiça consiga ter acesso a essas informações online, interceptando dados que possa considerar necessários.

Já ao jornal Extra, o ministro da Justiça vai um pouco além e explica que agentes da PF conseguiram se infiltrar nesses grupos no WhatsApp, onde acompanharam de perto as conversas e os tais preparativos para os ataques. Além disso, Moraes revela que os terroristas brasileiros usaram o grupo para comemorar os atentados recentes do Estado Islâmico, nas cidades de Orlando (EUA) e Nice (França), além de compartilharem as execuções realizadas no Oriente Médio.

Algumas possibilidades

Se o ministro se recusa a explicar como obteve esses dados durante a Operação Hashtag, especialistas em segurança digital apontam possíveis caminhos tomados pelos agentes federais. Ao site G1, Altieres Rohr explica que é possível fazer o “grampo” de conversas no WhatsApp mesmo sem quebrar sua criptografia. Além de se infiltrar nos grupos, é possível infectar os smartphones dos suspeitos com um vírus para obter acesso aos bate-papos, assim como clonar o número junto com a operadora para acompanhar tudo o que é dito por esses indivíduos.

Outro caminho apontado pelo especialista é o uso de arquivos de backups dos chats. Aplicativos como o WhatsApp enviam cópias das conversas para o iCloud e Google Drive sem qualquer tipo de criptografia, o que facilita o trabalho da polícia. Para isso, contudo, ela precisaria do apoio da Apple e da Google para ter acesso a essas informações. Até o momento, porém, não foi confirmada a participação de nenhuma companhia na operação.

Fonte: Extra, G1

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.