Pesquisa revela filmes do Oscar mais baixados e alerta brasileiros para perigos

Por Jessica Pinheiro | 22 de Fevereiro de 2019 às 08h40
Tudo sobre

Kaspersky

Saiba tudo sobre Kaspersky

Ver mais

A edição deste ano do Oscar acontece neste domingo (24), mas, segundo o TorrentFreak, logo que a lista de indicados foi divulgada no final de janeiro, a procura por versões piratas das obras que participarão da celebração cresceu. O filme Bohemian Rhapsody, por exemplo, que antes ocupava a décima posição no ranking de longas mais baixados, foi para o primeiro lugar, tornando-se a obra com mais downloads nos sites de todo o mundo.

Antes, a primeira posição era do filme Nasce uma Estrela, também indicado a Melhor Filme, que passou a ocupar o segundo lugar; enquanto que em terceiro está Aquaman. Nesta semana, o TorrentFreak divulgou uma nova lista mostrando os filmes mais pirateados do ranking – com alguns que não foram indicados ao Oscar, inclusive.

Na mais recente lista, Creed II está em primeiro lugar e Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald ocupa a segunda posição. Contudo, fazer downloads desses filmes sujeita os dispositivos aos mais diferentes perigos. Segundo a Kaspersky Lab, os softwares e os conteúdos piratas são responsáveis por mais de 5 milhões de ataques de criptomineradores nos primeiros noves meses de 2018.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky Lab, alerta: “As pessoas muitas vezes não imaginam, mas atividades que normalmente não são consideradas perigosas, como o download e a instalação de software questionável, sustenta o que foi a maior história de ciberameaça do ano passado: o crescimento da mineração mal-intencionada de criptomoedas”.

O analista também destaca outro comportamento perigoso dos internautas: o de desinstalar softwares de segurança. A Kaspersky Lab, por sinal, se juntou à consultoria de mercado Corpa para conduzir uma pesquisa que revelouq ue 41% dos entrevistados já desligaram a proteção do dispositivo para poder concluir um download.

“O problema é que a vítima está em um site legítimo para baixar o torrent, mas junto vem um malware. Outra prática comum é o envio de malware junto com o arquivo torrent, sendo que o malware é apresentado na forma de 'plugin' para a execução do conteúdo. Não há nada que a proteção possa fazer quando ela está desligada. Achar que ‘não acontecerá nada’ é justamente o que os criminosos esperam das vítimas, pois seu objetivo é manter o malware no sistema pelo máximo de tempo possível, seja para coletar dados ou minerar criptomoedas”.

Para se proteger de ameaças do gênero, é necessário tomar bastante cuidado com o que se baixa da internet, pois os cibercriminosos têm como prioridade tentar enganar os usuários com arquivos maliciosos. Portanto, não faça download de qualquer item que pareça suspeito ou que venha de sites não-confiáveis. Também utilize softwares de segurança e deixe a monitoração sempre ativada. Manter o sistema operacional sempre atualizado também é muito importante.

Por fim, é bom lembrar que, de acordo com as leis 9.609 e 9.610/98 previstas no Código Penal do país, pirataria é crime no Brasil. Então, mesmo que o usuário não esteja revendendo os arquivos que baixou, a pessoa que disponibilizou os links está infringindo uma lei, estando sujeita a reclusão de até quatro anos e multa.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.