Pesquisa lista os presentes de Natal mais "hackeáveis"

Por Redação | 21 de Novembro de 2016 às 10h59

Com a aproximação das festas de final de ano, muitas pessoas estão em busca do presente ideal, e os dispositivos eletrônicos estão entre os mais procurados. No entanto, antes de presentear um ente querido, você já parou para pensar se o gadget escolhido é seguro? Para dar uma forcinha neste sentido, a Intel divulgou uma lista com os presentes mais vulneráveis a ataques.

A empresa realizou uma pesquisa para saber o que os consumidores planejam comprar e o que eles sabem sobre proteger o dispositivo escolhido.Os recordistas na intenção de compras são os smartphones e tablets (52%), seguidos pelos laptops e PCs (33%), dispositivos de automação residencial (26%) e sticks de streaming de mídia (25%).

Dentre os gadgets citados como os mais hackeáveis, a maioria dos consumidores está consciente das vulnerabilidades em dispositivos mais antigos, como laptops (76%), telefones celulares (70%) e tablets (69%), mas falta-lhes a consciência sobre os riscos potenciais associados com os dispositivos conectados emergentes, como drones (20%), brinquedos das crianças (15%), tecnologia de realidade virtual (15%) e presentes para animal de estimação (11%).

Outra descoberta interessante é que, enquanto 81% dos consumidores acreditam que é muito importante proteger suas identidades online e dispositivos conectados, quase metade não tem certeza se está tomando as medidas de segurança adequadas.

Gary Davis, evangelista chefe de segurança do consumidor na Intel Security, disse: "Sem surpresa, os dispositivos conectados continuam dominando listas de desejos de presentes este ano. O que é alarmante é que os consumidores ainda desconhecem quais comportamentos representam um risco de segurança quando se trata de novos dispositivos."

Ele acrescentou: "Os consumidores muitas vezes ficam ansiosos para usar logo seu novo gadget, e abrem mão de assegurar que seus dispositivos estão devidamente protegidos. Os cibercriminosos poderiam usar essa falta de atenção como uma incursão para reunir dados de consumo pessoal, expondo os consumidores a malware ou roubo de identidade, ou mesmo usar dispositivos inseguros para lançar ataques DDoS. "

Para ajudar as pessoas a protegerem os seus novos dispositivos, a Intel dá algumas dicas básicas de segurança digital:

  • Use um sistema de proteção, como antivirus.
  • Use apenas redes Wi-Fi seguras.
  • Mantenha o software atualizado.
  • Use uma senha forte para bloquear o gadget.
  • Verifique antes de clicar em links recebidos.

Fonte: Intel

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.