Ministro afastado se nega a dar senha de celular para Polícia Federal

Por Wagner Wakka | 05 de Julho de 2018 às 18h30
photo_camera Edu Andrade

O ministro do Trabalho, Helton Yomura, foi afastado do cargo nesta quinta-feira (5) como parte da operação Registro Espúrio que busca fraude e esquema de corrupção no Ministério. Após a ação, a Polícia Federal pediu ao político acesso ao telefone usado por Yomura durante seu cargo, mas ele se negou a informar a senha.

Em declarações obtidas pela Folha de S. Paulo, o ministro afastado teria se mantido em silêncio perante o pedido, como havia orientado seu advogado de defesa, o qual informou que ainda não tinha conhecimento do teor da investigação.

Na declaração consta que “questionado acerca da apreensão de um aparelho telefone celular pertencente ao Ministério do Trabalho e solicitada sua respectiva senha de acesso, o declarante [Yomura], por determinação de seus constituídos [advogados] e por conter informações e arquivos privados, se nega a fornecê-la neste momento, até que tenha acesso aos autos, ressaltando que o aparelho era usado também para fins particulares”.

Participe do nosso GRUPO CANALTECH DE DESCONTOS do Whatsapp e do Facebook e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

A operação busca investigar o envolvimento do ministro e de outros políticos na cobrança de propina, bem como apoio político de instituições sindicais. Em troca, seriam concedidos registros sindicais a estas instituições de forma mais facilitada.

A suspeita aqui é de que o ministro passava informações ao presidente nacional do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson, bem como sua filha, a deputada Cristiane Brasil, também do mesmo partido. A suspeita é de que PTB e Solidariedade estão no centro do esquema.

Segundo relatório da Polícia Federal, “importantes cargos da estrutura do Ministério do Trabalho foram preenchidos com indivíduos comprometidos com os interesses de grupos criminosos, permitindo a manutenção de ações ilícitas”.

Em sua defesa, o ministro afastado disse apenas que não há provas de que ele está envolvido em quaisquer irregularidades.

A operação segue em andamento nesta quinta-feira.

Fonte: Folha de S.P.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.