Microsoft usará inteligência artificial para lutar contra malwares

Por Redação | 27.06.2017 às 16:42

A gigante de Redmond está se preparando para combater malwares com ainda mais eficácia por meio da inteligência artificial. A Microsoft pretende usar dados provenientes de seus serviços de nuvem, como Azure, Endpoint e Office, juntamente com o machine learning dos 400 milhões de PCs que rodam Windows 10 para tal.

Segundo a companhia, a ideia surgiu em decorrência dos ataques de hackers que estamparam os noticiários nos últimos tempos, como o ransomware WannaCrypt, que chegou a afetar empresas e órgãos governamentais no Brasil, fazendo com que a companhia precisasse atualizar versões antigas do Windows, para os quais já não prestava mais suporte.

Então, em vez de apenas continuar se defendendo de ataques que surgem (e acabam prejudicando uma grande quantidade de usuários até que as proteções sejam desenvolvidas), a empresa decidiu detectar comportamentos específicos e incomuns contando com a IA para isso. Quando detectado, o vírus é liberado em um sandbox virtual na nuvem, mantendo o computador protegido.

A novidade deve chegar aos usuários com a nova versão do Windows Defender Advanced Threat Protection, que traz novidades como o Application Guard, que serve para proteger o navegador de possíveis ameaças, além do Exploit Guard e o Device Guard. Inicialmente, o novo tipo de proteção contra malwares será disponibilizado para empresas, mas espera-se que a companhia também libere a proteção para os usuários domésticos.

Ataques de ransomware já chegaram a lucrar US$ 1 bilhão somente em 2016, e continuam sendo uma ameaça iminente. Nesta terça-feira (27), um novo ataque maciço está afetando bancos, aeroportos e serviços de infraestrutura na Europa, especialmente na Ucrânia e Rússia, mas já foram relatados casos de infecção na Dinamarca e Estados Unidos.

Fonte: Microsoft