Kaspersky Lab alerta para cuidados com a "cibervingança"

Por Redação | 09.06.2015 às 14:04

Infelizmente, quando alguns relacionamentos acabam, um dos envolvidos sofre um "ressentimento virtual" e não pensa duas vezes antes compartilhar fotos ou vídeos íntimos do ex-parceiro. Como não existe uma maneira de prever que isso possa acontecer, algumas medidas de segurança precisam ser tomadas para proteger a sua intimidade.

Existem diversos casos de vingança virtual no mundo inteiro e em alguns lugares o ato já foi criminalizado. São milhares de fotos e vídeos íntimos, além de dados pessoais, expostos constantemente nas redes sociais, mensageiros ou até mesmo em sites de pornografia.

Juliana Abrusio, especialista em direito digital e autora de livros como "Educação Digital", “Marco Civil da Internet” e "Brazil. In: Data Protection & Privacy - Jurisdictional Comparisons", diz que não existem dados exatos sobre a ocorrência do cibercrime no País. Ela também afirma que há previsão na lei para proteger a privacidade dos indivíduos, além de reparar danos à vítima.

Abrusio comenta que este reparo por si só não é o suficiente para amparar uma pessoa que sofreu com a cibervingança, pois leva muito tempo para que a vítima recomponha a sua vida e dignididade. Muitas vezes, elas também são obrigadas a buscar, além do auxílio jurídico, ajuda médica e psicológica.

"Além disso, o processo judicial no Brasil é muito lento, e as indenizações arbitradas pelo Poder Judiciário ainda são muito baixas e aquém dos danos morais que a vítima realmente mereceria em casos como esses, o que acaba apenas agravando a situação da vítima, trazendo-lhe um sentimento de injustiça e impunidade. Por isso, o melhor caminho é sempre a prevenção”, finaliza.

A Kaspersky Lab, empresa especializada em softwares para a segurança na internet, recomenda algumas dicas para evitar que as nossas informações fiquem vulneráveis:

  • O compartilhamento de senhas é bastante comum entre alguns casais, pois transmite confiança. Porém, se o relacionamento acabar os seus dados estarão disponíveis para o ex-parceiro. Então, é necessário estar ciente de fazer essa alteração de senha caso a relação chegue ao fim;
  • Aproveite que a maioria das redes sociais disponibiliza a autenticação de dois fatores, ou seja, aquela que pede não só a sua senha, mas como também envia um código para o seu email ou para o celular, e use-as;
  • A culpa do vazamento de fotos íntimas é completamente do agressor, mas como ainda não há punição severa para este caso, infelizmente, o recomendado é evitar o compartilhamento destas imagens ou vídeos. Caso compartilhe, prefira usar serviços de mensagens que criptografem os dados, não permitam o encaminhamento a terceiros, bloqueiem capturas de tela e possibilitem a remoção das mensagens;
  • Sempre confira as configurações de privacidade das redes sociais e prefira compartilhar suas fotos apenas com pessoas conhecidas;
  • Evite vincular os seus dispositivos móveis com o de seus parceiros, pois assim ele tem acesso a todas as suas fotos e vídeos, podendo usá-las sem o seu consentimento;
  • Mesmo que o conteúdo íntimo seja enviado de maneira voluntária ao agressor, a vítima pode e deve recorrer à justiça;
  • Adolescentes, geralmente, são as maiores vítimas da "vingança pornográfica" e os pais precisam ficar atentos às atividades online de seus filhos.