Hospital paga US$ 17 mil para que hackers devolvessem o acesso aos computadores

Por Redação | 18 de Fevereiro de 2016 às 17h20

No início da semana noticiamos que um grave problema envolvendo um ataque de ransomware que sequestrou a rede de computadores de um hospital em Los Angeles. Inicialmente, os hackers haviam pedido de 9 mil bitcoins de resgate, cerca de US$ 3,5 milhões. No entanto, o Hollywood Presbyterian Medical Center foi orientado a não realizar o pagamento na esperança de que as autoridades conseguissem restabelecer o acesso a rede de computadores da instituição. Mas, não foi isso que aconteceu e o hospital resolveu pagar a quantia exigida de cerca de US$ 16.664, ou 40 bitcoins, para que os hackers devolvessem o acesso aos computadores.

"A maneira mais rápida e eficiente para restaurar os nossos sistemas e funções administrativas foi pagar o resgate e obter a chave de decodificação. No melhor interesse de restaurar as operações normais, fizemos isso", disse o CEO do hospital, Allen Stefanek. O FBI continua investigando o ataque, onde os hackers criptografaram os dados da rede do hospital para segurá-la como refém. O hospital não afirmou se a polícia local havia recomendado o pagamento aos hackers.

Especialistas em segurança normalmente recomendam que as pessoas não paguem o resgate, embora às vezes as agências de investigação recomendam que eles façam isso, segundo Adam Kujawa, chefe de inteligência da Malwarebytes que recentemente lançou um software anti-ransomware. "Infelizmente, muitas empresas não contam a ninguém se foram vítimas de ransomware e especialmente se pagaram os criminosos", disse Kujawa.

Para que os criminosos possam ficar no anonimato, o bitcoin é a moeda utilizada para os crimes. Segundo um relatório da McAfee Labs, os ataques de ransomware devem crescer consideravelmente em 2016 devido aos ajustes no software utilizado na realização do ataque. A empresa estima que, em média, 3% dos usuários com máquinas infectadas pagam um resgate. Muitos ataques não são divulgados porque as vítimas não querem contar que foram hackeadas.

Funcionários do Hollywood Presbyterian Medical Center haviam notado que a rede de computadores estava com problemas no dia 5 de fevereiro. A partir daí tornou-se claro que a rede da instituição havia sido alvo de ataque cibernético. Especialistas em informática e autoridades foram imediatamente informados, disse Stefanek. Dez dias depois do ataque, a rede voltou a funcionar plenamente. A porta-voz do FBI, Laura Eimiller disse que a agência está investigando a trama de extorsão. Felizmente, não há qualquer evidência de que os dados dos pacientes estejam comprometidos.

Via AP News

Fonte: http://bigstory.ap.org/article/d89e63ffea8b46d98583bfe06cf2c5af/hospital-paid-17k-ransom-hackers-its-computer-network

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.